Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10075
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorMIRANDA, C. L.
dc.creatorNOVAS, B. B. V.
dc.date.accessioned2018-08-02T00:17:25Z-
dc.date.available2018-08-01
dc.date.available2018-08-02T00:17:25Z-
dc.date.issued2015-09-15
dc.identifier.citationNOVAS, B. B. V., PELO DIREITO DE QUALQUER UM FAZER CIDADE: CONSTRUÇÃO SUBJETIVA DOS ESPAÇOS URBANOSpor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/10075-
dc.description.abstractEste trabalho tem como foco investigar as teorias e práticas da produção urbana na cidade contemporânea aproximando-se das ações e das narrativas micropolíticas espacializadas como alternativas ou resistências, contrapondo-as ao modelo hegemônico macropolítico de produção da cidade. Compreendendo-as com constituintes da práxis do direito de qualquer um fazer cidade. Acompanham-se estes movimentos micropolíticos buscando abordar a diversidade e as narrativas do fazer cidade numa perspectiva de construção subjetiva do espaço urbano, segundo o entendimento de Guattari. Utiliza-se, para isso, a cartografia proposta por Deleuze e Guattari contraposta ao modelo hegemônico do capitalismo, que configura limites ao homogeneizar a produção da cidade a partir da tecnocracia, da ideologia financista neoliberal e da hegemonia star system. Busca-se incorporar e ampliar o conceito do direito a cidade para o de direito de qualquer um fazer cidade. O qualquer como parte potente que deseja e faz a cidade cotidianamente. Esta produção outra de fazer cidade não cabe na redução que lhe é conferida pela normatividade da política real, pela democracia representativa vigente. Não cabe também a invisibilidade a que são relegados os seus usuários e agentes minoritários ou menores. Dar visibilidade às narrativas micropolíticas de qualquer um fazer cidade faz-se necessário para que novos conhecimentos sobre estes movimentos possam ser produzidos e postos em face do campo da arquitetura e urbanismo. Sob esta ótica, o objetivo da pesquisa é desenvolver uma cartografia em busca das ações e das narrativas micropolíticas do grupo Célula EMAU e do Fórum Bem Maior, na cidade de Vitória, ES. Para isso, procuramos identificar nas experiências compartilhadas destes grupos práticas micropolíticas que colaborem para a (re)construção subjetiva do espaço urbano, em suas diversas escalas e dinâmicas sociais, geográficas, econômicas e culturais. Para que principalmente, possamos entender a produção do espaço urbano de forma ampliada, prevendo a participação de qualquer pessoa ou coletivo, sem extinguir ou colocar ao lado o papel do arquiteto, mas sim reposicionar o arquiteto-urbanista frente às narrativas e ações micropolíticas da produção de cidade contemporânea. Palavras-chave: direito à cidade, espaço urbano, cartografia, arquitetura e urbanismopor
dc.formatapplication/pdfpor
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titlePELO DIREITO DE QUALQUER UM FAZER CIDADE: CONSTRUÇÃO SUBJETIVA DOS ESPAÇOS URBANOSpor
dc.typemasterThesisen
dc.contributor.memberRENA, N. S. A.
dc.contributor.memberCAMPOS, M. M.
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismopor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Arquitetura e Urbanismopor
Appears in Collections:PPGAU - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_9218_BRUNO B VILAS NOVAS_final.pdf3.01 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.