Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10161
Título: "Nós somos ciganos. E você, o que é?" : processos identitários entre três gerações de ciganos calon no Estado do Espírito Santo
Autor(es): Cardoso, Grecy Kelle de Andrade
Orientador: Bonomo, Mariana
Palavras-chave: Calon
Ciganos
Estudo intergeracional
Socialização étnica
Gypsies
Intergenerational study
Ethnic socialization
Social identity theory
Data do documento: 25-Jun-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: CARDOSO, Grecy Kelle de Andrade. 'Nós somos ciganos. E você, o que é?': processos identitários entre três gerações de ciganos calon no Estado do Espírito Santo. 2018. 263 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais.
Resumo: Os ciganos possuem uma longa diáspora em diferentes territórios e nacionalidades. Apesar de diferenças encontradas nos diversos grupos ciganos, algumas características - como as relações de gênero, a valorização da socialização que ocorre no contexto intergrupal e o aprendizado das leis e das tradições têm sido considerados relevantes na construção das identidades ciganas. Tendo como referência a Teoria da Identidade Social, o presente estudo teve como objetivo analisar os processos identitários e o contexto de socialização étnica entre três gerações de ciganos de etnia calon, de um acampamento cigano no estado do Espírito Santo. Para tanto, realizou-se dois estudos complementares, a saber: um estudo por meio de abordagem etnográfica, cujas informações obtidas foram registradas em diários de campo (Estudo 1); e um estudo intergeracional, realizado através de entrevistas com roteiros semidirigidos, focalizando as três gerações do grupo (idosos, adultos e crianças). Participaram do estudo 19 membros do grupo cigano, com idades variando entre 48 e 95 anos (primeira geração), 24 e 41 anos (segunda geração) e 04 e 12 anos (terceira geração). O tratamento dos dados foi realizado a partir da análise de conteúdo (temática e categorial-temática) e da análise lexical por meio da Classificação Hierárquica Descendente. Os principais resultados demonstraram que: (i) na primeira geração, os troncos velhos (idosos) enfatizam suas memórias sobre o passado, o nomadismo do tempo das tropas de mula e outras características dos seus antepassados; (ii) na segunda geração, os homens calon destacam a ciganidade a partir de elementos culturais, em comparação entre ciganos e não-ciganos e entre as diferentes gerações do grupo; e, as mulheres (gadjés) relatam sua inserção na vida cigana e os dilemas identitários advindos dessa dupla inserção social; e (iii) na terceira geração, as crianças calin destacam informações relacionadas à infância cigana, às experiências de inserção no ambiente escolar e às projeções de vida futura, destacando os possíveis modos de moradia, o casamento e os papéis sociais esperados. Através de uma análise psicossocial sobre os fenômenos investigados, entendemos a identidade cigana, conforme observada no grupo, como expressão identitária, que: é construída nesse contexto de socialização étnica; se materializa como ser cigano(a) também em função das hierarquias geracionais e de gênero; e têm se mantido com forte conotação de valor e carga afetiva positivas. Espera-se que a presente pesquisa auxilie na ampliação do conhecimento produzido acerca dos povos ciganos, tendo em vista a necessidade de ressignificação dos ciganos no pensamento social e do surgimento da questão cigana como questão social, legitimando suas demandas em respeito às suas especificidades étnico-culturais.
Gypsies (or Roma people) have a long diaspora in different territories and nationalities. Although differences were found in some gypsy groups, characteristics such as gender relations, the valorization of socialization that occurs in the group context, and learning of laws and traditions have been considered relevant in the construction of gypsies’ identities. Grounded on the Theory of Social Identity, the present study aims to analyze the identity processes and the context of ethnic socialization between three generations of Calon gypsies, in a gypsy camp in the State of Espírito Santo (Brazil). For that purpose, two complementary studies were carried out: a study, through an ethnographic approach, through information annotated in field journals (Study 1); and an intergenerational study, performed through interviews with semi-directed interview script focusing on three generations, the elderly, adults and children. Nineteen members of the gypsy group participated in the study, with ages ranging from 48 to 95 (first generation), 24 and 41 (second generation) and 04 and 12 (third generation). The data treatment was constructed from a content analysis and a lexical analysis by the Descending Hierarchical Classification. The main results demonstrated are: (i) in the first generation, the “old trunks” (seniors) emphasize the characteristics about the past, nomadism of the “time of mule troops” and other characteristics of their ancestors; (ii) in the second generation, the “Calon men” highlight gypsianism based on cultural elements, such as comparing gypsies and non-gypsies and the different generations of the group; and the women (gadjés) report their insertion in gypsy life and the identity dilemmas arising from this dual social insertion; and (iii) in the third generation, the Calin children report information related to gypsy childhood, to experiences of insertion into the school environment and to opportunities for future life, with particular emphasis on housing, marriage and expected social roles. Through a psychosocial analysis about the investigated phenomena, we understand the gypsy identity, as observed in the group. It is an identity expression, constructed in the context of ethnic socialization, which is materialized as being gypsy, also due to generational and gender hierarchies. This expression has been maintained with strong connotation of value and positive affect. We hope that the present research will help to increase knowledge about the gypsies, due to need of resignifying the gypsies’ image in the social sense and the emergence of the gypsy question as a social question, legitimizing their demands in relation to their ethnic cultural specificities and needs.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10161
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_11055_Dissertação de Mestrado em Psicologia-Grecy Kelle de Andrade Cardoso-2018.pdf1.91 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.