Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10432
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorFAGUNDES, V.
dc.date.accessioned2018-09-11T12:39:23Z-
dc.date.available2018-09-11
dc.date.available2018-09-11T12:39:23Z-
dc.identifier.citationCOLOMBI, V. H., TAXONOMIA INTEGRATIVA DE THAPTOMYS THOMAS, 1916 (RODENTIA: CRICETIDAE)por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/10432-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleTAXONOMIA INTEGRATIVA DE THAPTOMYS THOMAS, 1916 (RODENTIA: CRICETIDAE)por
dc.typedoctoralThesisen
dc.contributor.memberTOSTA, V. C.
dc.contributor.memberGeise, L.
dc.contributor.memberPELLEGRINO, K. C. M.
dc.contributor.memberVARGAS, S. M.
dc.contributor.memberLEITE, Y. L. R.
dc.contributor.memberLOSS, A. C. C.
dcterms.abstractThaptomys Thomas, 1916 é um gênero de roedor monotípico endêmico da Mata Atlântica. Apesar da baixa diferenciação morfológica, dados citogenéticos e moleculares sugerem uma diversidade subestimada para esse táxon. Assim, o presente trabalho testou a hipótese de que Thaptomys não seja monotípico, a partir de uma análise integrativa, com dados citogenéticos, morfométricos, moleculares e de modelagem de nicho, realizando uma revisão taxonômica ampla para o gênero. Foram analisados 201 espécimes (141 cariotipados) de 26 localidades, desde Una/BA até San Raphael, no Paraguai. Bandeamento G e C, FISH com sondas teloméricas e pintura cromossômica permitiram a caracterização de cinco cariótipos novos, descritos pela primeira vez: 2n=48/FNA=52, 2n=49a/FNA=52, 2n=49b/FNA=52, 2n=50/FNA=52, 2n=51/FNA=52. Nossos dados sugerem que rearranjos do tipo fusões cêntricas de quatro pares acrocêntricos (1+15 e 3+4) geraram um par metacêntrico e outro submetacêntrico grandes, em combinações homozigóticas e heterozigóticas em 2n=48-51/FNA=52. Além disso, refinamos o mecanismo de diferenciação entre os cariótipos de 2n=50/FNA=48 e 2n=52/FNA=52, como um rearranjo complexo envolvendo fissão cêntrica desigual de cada homólogo do metacêntrico 25 pequeno, seguido de uma fusão em tandem de cada um braço derivado do 25 nos pares acrocêntricos 2 e 23. As análises filogenéticas (Cytb) recuperaram um Clado Norte de abrangência geográfica ampla, desde Una/BA (2n=50/FNA=48), Luminárias/MG (2n=48-51/FNA=52), até Tapiraí/SP (2n=52/FNA=52) e as demais amostras formaram uma politomia (Sul), desde Tapiraí/SP (2n=52/FNA=52) a San Raphael e Limoy (Paraguai, sem cariótipo), que divergiram em 2,15%. Espécimes com diferentes cariótipos não foram recuperados como monofiléticos, embora espécimes com 2n=50/FN=48 tenham formado dois clados distintos e exclusivos. As análises populacionais (CytB e seis loci de microssatélite) indicaram Una/BA (2n=50/FNA=48) como uma população distinta das demais, divergindo em 1,89% de 2n=52/FNA=52 e 1,2% de 2n=48-51/FNA=52, sem compartilhamento de haplótipos com outro cariótipo ou localidade. Morfologicamente, espécimes com 2n=48-51/FNA=52 não apresentaram nenhuma distinção daqueles com 2n=50/FNA=48 e 2n=52/FNA=52 e que estão isolados geograficamente. A distribuição geográfica dos diferentes cariótipos mostra que eles nunca foram detectados em simpatria, que não há evidências de híbridos entre eles e que parecem estar isolados geograficamente, já que Una/BA (2n=50/FNA=48) dista em 938 km de Luminárias/MG (2n=48-51/FNA=52), e 500km de Santa Teresa/ES (2n=52/FNA=52). A fixação de um rearranjo cromossômico com alta frequência em uma população, como as fissões cêntricas e fusões em tandem, observados em espécimes com 2n=50/FNA=48, acarretaria na separação das populações de Thaptomys em subgrupos não intercruzantes (com e sem o rearranjo cromossômico), representando uma barreira ao fluxo gênico, como sugerido no modelo de especiação peripátrico. Assim, populações fundadoras de pequeno tamanho tenderiam a representar espécies distintas, sendo o cromossomo o fator desencadeador desse processo. A falta de resolução filogenética em recuperar espécimes com diferentes cariótipos como monofiléticos, somada à distinção morfológica sutil (não significativa), pode indicar um processo de especiação abrupto, deflagrado pelos rearranjos cromossômicos complexos em que as linhagens não tiveram tempo de acumular diferenças. Diante desses dados, propõem-se uma interpretação bem mais complexa, em que Thaptomys seria representado por duas espécies, sendo (I) Thaptomys sp. n., com 2n=50/FNA=48, exclusivo de Una, na Bahia; e (II) Thaptomys nigrita, apresentando polimorfismo cromossômico, com 2n=48-52/FNA=52, com três subespécies, sendo (III) Thaptomys nigrita ssp. n., com 2n=48-51/FNA52, exclusiva de Luminárias, em Minas Gerais, (IV) Thaptomys nigrita nigrita (subespécie nominotípica; 2n=52/FNA=52), ocorrendo de Santa Teresa (ES) até Tapiraí (SP) e (V) Thaptomys nigrita subterraneus (2n=52/FNA=52), de Pilar do Sul (SP) à San Raphael (Paraguai). Palavras-chave: especiação, citotaxonomia, taxonomia integrativa, Mata Atlântica.por
dcterms.creatorCOLOMBI, V. H.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2018-02-21
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Biologia Animal)por
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseDoutorado em Biologia Animalpor
Aparece nas coleções:PPGBAN - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_11794_TESE_Victor Hugo Colombi 29AGO2018 FINAL.pdf1.74 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.