Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11204
Título: AGENDA 21 COMO FERRAMENTA PARA ENSINO E DISCUSSÃO DA SUSTENTABILIDADE NA EDUCAÇÃO DO CAMPO
Autor(es): SALVADOR, P.
Orientador: ROCHA, S. M. S.
Palavras-chave: Educação ambiental crítica
Protagonismo juvenil
Educação d
Data do documento: 20-Mar-2019
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: SALVADOR, P., AGENDA 21 COMO FERRAMENTA PARA ENSINO E DISCUSSÃO DA SUSTENTABILIDADE NA EDUCAÇÃO DO CAMPO
Resumo: A relação do homem com a natureza ao longo da história seguiu caminhos que levaram a uma crise destrutiva dos recursos naturais, incluindo o próprio homem. Crise esta, que se iniciou no século passado e segue até os dias atuais, quer seja por fatores e catástrofes naturais, ou ainda, pela apropriação e exploração imposta pelo sistema capitalista. Como enfrentamento a esta crise, desde o século passado, têm se promovido encontros para discussão, alerta e proposição de ações capazes de minimizar este problema. Sendo um dos mais relevantes a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, que ocorreu em 1992, na cidade do Rio de Janeiro - Brasil. Nesta conferência foi elaborado um documento como meio de intervenção à degradação ambiental, chamado de Agenda 21 Global, nome este pelas ações serem propostas para o século XXI. Cada país signatário desenvolveria sua Agenda 21 Nacional que se desdobraria a nível local e escolar. Nesse sentido, apresenta-se como objetivo principal deste trabalho implementar a Agenda 21 na Escola Municipal de Educação Integral e do Campo Francisco José Mattedi, localizada no município de São Gabriel da Palha, Estado do Espírito Santo. Trata-se de uma pesquisa aplicada, utilizando a metodologia da pesquisa-ação de natureza qualitativa, seguindo as etapas de sensibilização, reflexão, diagnóstico, plano de ação e avaliação. Como resultado, tivemos a formação da Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na escola - COM-VIDA, composta por estudantes, educadores, funcionários da escola, direção e comunidade externa. Foi organizada por esta Comissão a Conferência Infanto-juvenil pelo Meio Ambiente, com estímulo ao protagonismo juvenil, do qual resultou o projeto com tema Água: fonte de vida e não de lucro. A pesquisa revelou a importância da luta e resistência para se inserir a educação ambiental no sistema de ensino de modo crítico e emancipatório. Concluiu-se que no contexto em que a escola encontra-se inserida houve contribuição da educação ambiental para o envolvimento da comunidade escolar e do entorno em atividades que ampliaram sua percepção frente às questões ambientais para busca de transformações sociais.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11204
Aparece nas coleções:PPGEEB – Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_13030_99- Paula Salvador.pdf3.38 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.