Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11378
Título: A LÍNGUA PRÓPRIA DO SURDO: A DEFESA DA LÍNGUA A PARTIR DE UMA SUBJETIVIDADE SURDA RESISTENTE
Autor(es): Nascimento, Gabriel Silva
Orientador: MACHADO, L. M. C. V.
Palavras-chave: surdez
matriz de experiência
língua
cultura
Data do documento: 12-Jul-2019
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: NASCIMENTO, G. S., A LÍNGUA PRÓPRIA DO SURDO: A DEFESA DA LÍNGUA A PARTIR DE UMA SUBJETIVIDADE SURDA RESISTENTE
Resumo: A língua própria do surdo: a defesa da língua a partir de uma subjetividade surda resistente aqui apresentada, trata-se de uma pesquisa que abrange educação de surdos e língua de sinais, cujo objetivo geral é investigar o que se toma por status de língua e língua de sinais no contexto nacional, assumindo uma perspectiva investigativa arqueológica da Libras como língua propriedade de um determinado grupo. Constitui-se em uma pesquisa bibliográfica-documental, tomando como corpus de análise documentos históricos, especialmente as atas do Congresso de surdos de Paris -1900, e obras clássicas que fundamentaram as pesquisas brasileiras nas duas últimas décadas considerando duas frentes: língua de sinais e cultura surda. O referencial teórico-metodológico baseia-se nas obras de Michel Foucault, empregando como ferramenta teórico-metodológica a matriz de experiência e os eixos do saber, poder e ética como lentes de análise. Revisitar o passado em uma perspectiva arqueológica se mostra uma questão pertinente para compreendermos as práticas discursivas que tomam forma em nosso tempo. Dado o terreno de disputa entre a Libras e a Língua Portuguesa, hoje estabelecido numa relação de fronteiras, propomos uma discussão sobre até que ponto reduzir a língua como posse de uma comunidade específica a deixa vulnerável ou a fortalece quando se almeja em algum ponto alcançar um modo de organização social bilíngue. As reflexões nos permitem descortinar uma terceira via de defesa da língua, paralela aos estudos linguísticos e culturais, produzindo uma forma de subjetividade surda resistente que pode incorrer no risco de sugerir modos de vida monolíngue na contramão dos movimentos bilíngues e do reconhecimento social da Libras.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11378
Aparece nas coleções:PPGE - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_13559_Dissertação - Final.pdf1.43 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.