Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1479
Title: Abordagens metodológicas para avaliar risco de extinção de espécies de Brachyteles (Primates : Atelidae)
Authors: Gonçalves, Arthur Machado
Keywords: Zoogeografia;Sistemas de informação geográfica;Florestas tropicais;Biologia de conservação;Primata;Extinção (Biologia)
Issue Date: 2015
Abstract: A distribuição geográfica de um táxon é limitada por aspectos ecológicos e históricos. Muitas atividades humanas têm causado modificações na cobertura vegetal, o que leva à fragmentação e perda do habitat. Isso tem levado à extinção local de populações de várias espécies, alterando sua distribuição geográfica. Entre elas estão as duas espécies do gênero Brachyteles (os muriquis), que são primatas endêmicos de um dos biomas mais afetados por esses processos, a Mata Atlântica. A União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) é uma organização que busca conservar a biodiversidade. Entre outros critérios, utiliza o conhecimento sobre as distribuições geográficas restritas das espécies para classificá-las em categorias de ameaça de extinção, nas chamadas listas vermelhas. Para isso, utiliza parâmetros espaciais, cujos resultados indicam o risco de extinção de determinado táxon em relação à sua distribuição geográfica. Muitas vezes os cálculos desses parâmetros são realizados de maneira subjetiva, de maneira que é importante a busca de métodos que tornem as classificações mais objetivas, precisas e replicáveis. Nesse contexto, o presente trabalho testou diferentes métodos de cálculos de três parâmetros relacionados à distribuição geográfica de B. hypoxanthus e B. arachnoides. Tratam-se de espécies ameaçadas de extinção, com localidades de ocorrência bem conhecidas, que foram profundamente afetadas pela degradação da Mata Atlântica. Assim, podem ser consideradas bons modelos para essas análises. Foi construído um banco de dados de localidades de ocorrência atuais das duas espécies. Por meio de abordagens de Sistemas de Informação Geográfica (SIG), foram estimadas a Extensão de Ocorrência (EOO) através de Mínimo Polígono Convexo e α-hull e Área de Ocupação (AOO) e Subpopulações por meio de métodos de grids, buffers circulares e α-hull, em diferentes escalas espaciais. Os resultados dos cálculos desses parâmetros foram comparados para identificar as abordagens e escalas mais adequadas para a avaliação de risco de extinção. Esses resultados indicam que as listas de localidades e os mapas de distribuição disponibilizados pela UICN precisam ser atualizados. Além disso, sugerem que α-hull é uma abordagem vantajosa para EOO e o método de buffers é mais adequado para os parâmetros de AOO e Subpopulações, quando utiliza escalas espaciais menores. Também foi utilizada a ferramenta GeoCAT, para as duas espécies. Essa ferramenta, por realizar análises de EOO e AOO instantâneas e por seus resultados serem semelhantes aos de outras análises, serve como uma abordagem preliminar de risco de extinção baseado no critério de distribuição geográfica.
The geographical distribution of a taxon is limited by ecological and historical aspects. Many human activities have caused changes in vegetation cover, leading to fragmentation and loss of habitat. This has led to local extinction of populations of various species by altering their geographical distribution. Among them are the two species of the genus Brachyteles (muriquis), which are endemic primates of the Atlantic Forest, one of the most affected biomes by these processes. The International Union for Conservation of Nature (IUCN) is an organization that seeks to conserve biodiversity. Among other criteria, it uses the knowledge of the restricted geographic distributions of species to rank them in threatened categories, the so-called red lists. It uses spatial parameters that indicate the risk of extinction of a particular taxon in relation to their geographical distribution. Often the calculations of these parameters are subjective and it is necessary the search of methods that make the assessments more objective, accurate, and replicable. In this context, we tested different calculation methods of three parameters related to the geographical distribution of B. hypoxanthus and B. arachnoids. They are threatened species with well-known occurrence localities and were deeply affected by the Atlantic Forest fragmentation. Thus, they are potentially a good model for these analyses. We built a database of current occurrence localities of both species. Through Geographic Information Systems (GIS) approaches, we estimated the Extent of Occurrence (EOO) using Minimum Convex Polygons and α-hull, and Area of Occupancy (AOO) and subpopulations using grids, circular buffers and α-hull methods, in different special scales. The results were compared to identify the most appropriate approaches and scales for the assessment of extinction risk. The analyses indicate that the list of localities and maps of IUCN should be updated. Moreover, they suggest that α-hull is an advantageous approach to EOO and the buffer method is the most suitable parameter for AOO and subpopulations, when smaller spatial scales are used. The GeoCAT tool can be used as a preliminary extinction risk assessment based on the geographical distribution criteria for being able to perform instant EOO and AOO analyses, and their results are similar to those of other approaches.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1479
Appears in Collections:PPGBAN - Dissertações de mestrado



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons