Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2979
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorBORLOTI, E. B.
dc.date.accessioned2016-08-29T14:10:02Z-
dc.date.available2016-07-11
dc.date.available2016-08-29T14:10:02Z-
dc.identifier.citationCUNHA, L. S., Análise de Eventos Privados do Tipo Sentir sob Controle de Contingências Programadas em um Softwarepor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/2979-
dc.format.mediumtexten
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleAnálise de Eventos Privados do Tipo Sentir sob Controle de Contingências Programadas em um Softwarepor
dc.typemasterThesisen
dcterms.abstractAnalistas de Comportamento têm apontado relações entre contingências de reforçamento, estados corporais (eventos privados) e eventos públicos. O presente experimento teve por objetivo investigar o controle de contingências programadas sobre eventos privados do tipo sentir, empregando um procedimento que eliciou tais eventos e evocou o tacto dos mesmos (sentimento). Participaram 20 estudantes, de ambos os sexos, com idade entre 11 e 14 anos, que cursavam o ensino fundamental em uma escola privada de Vitória-ES, que executaram as tarefas do software PsychoTacto 2.0. Diante de uma tela dispondo de quatro estímulos (cards), um localizado na parte superior central (estímulo-modelo) e três alinhados na parte inferior central da tela (estímulos-comparação), os participantes respondiam clicando com um mouse em um dos estímulo-comparação a conseqüência era programada de acordo com a contingência básica de reforçamento em operação e, ao término de cada procedimento, relatavam o que sentiram. A freqüência cardíaca e a latência das respostas foram medidas; comportamentos motores e verbais foram registrados por observadores treinados; dos verbais foi inferido controle instrucional sobre o desempenho. Resultados: na fase Reforçamento Positivo predominaram relatos de contentamento (30%), safisfação (20%) e alegria (20%). Na fase Punição Negativa, predominaram relatos de frustração (50%), desapontamento (20%), tristeza (20%), tristeza (20%) e apreensão (10%). Na fase Punição Positiva, predominaram relatos de raiva (30%), aborrecimento (20%), ansiedade (20%), apreensão (20%) e medo (10%). E na fase Reforçamento Negativo, relatos de ansiedade (40%), apreensão (30%) e alívio (30%). Em todas as fases as respostas apresentaram um tempo médio de latência diferente, sendo a maior para o Reforçamento Positivo (3min e 17 seg) e a menor para o Reforçamento Negativo (1 min e 23 seg). As regras formuladas indicaram a não discriminação do desempenho como variável controlada. Os dados motores, verbais e cardíacos combinados mostram que a exposição a contingências pode eliciar eventos privados do tipo sentir e produzir tactos dos mesmos. Não foram registradas discrepâncias entre os dados obtidos entre meninos e meninas. Palavras-chave: Eventos Privados.por
dcterms.creatorCUNHA, L. S.
dcterms.issued2007-04-16
dcterms.subjectSentimentopor
dcterms.subjectAnálise Experimental do Comportamentopor
dcterms.subjectTactopor
dcterms.subjectEvpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Psicologiapor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Psicologiapor
dc.contributor.refereeMENANDRO, P. R. M.
dc.contributor.refereeTOURINHO, E. Z.
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_2182_.pdf273.14 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.