Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5300
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorMiguel, Gustavo Peixoto Soares.-
dc.date.accessioned2016-08-29T15:38:43Z-
dc.date.available2016-07-11-
dc.date.available2016-08-29T15:38:43Z-
dc.identifier.citationSANTOS, Ivan Matavelli. Avaliação dos fatores de risco para rabdomiólise no pós-operatório de cirugia bariátrica. 2015. 37 f. Dissertação (Mestrado em Medicina) - Programa de Pós-Graduação em Medicina, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/5300-
dc.format.mediumtexteng
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleAvaliação dos fatores de risco para rabdomiólise no pós-operatório de cirugia bariátricapor
dc.typemasterThesisen
dc.subject.udc61-
dc.subject.br-rjbnCirurgia bariátricapor
dc.subject.br-rjbnRiscopor
dcterms.abstractIntrodução: A obesidade é uma doença complexa e multifatorial, cada vez mais prevalente na população mundial. O principal tratamento hoje para essa doença é a cirurgia bariátrica, que apesar dos muitos benefícios trazidos como redução do peso e melhor controle das comorbidades, apresenta importantes riscos pós - operatórios, dentre eles vale ressaltar a rabdomiólise, uma complicação de difícil diagnóstico. Objetivo: Identificar os fatores de risco para desenvolvimento de rabdomiólise (RML) no pós - operatório de cirurgia bariátrica. Métodos: Estudo prospectivo, sendo avaliados os pacientes submetidos a cirurgia bariátrica (vídeo e aberta), no Hospital Universitário Cassiano Antônio de Moraes, no período de setembro de 2013 a agosto de 2014. Os pacientes tiveram a creatifosfoquinase (CK) colhida no pré - operatório, no pós - operatório imediato e no 1º pós - operatório (PO). Os dados inerentes ao paciente (pré - operatório) foram verificados nos prontuários e com os pacientes no dia da internação para a cirurgia. Resultados: 41,12% dos pacientes tiveram CK elevada no 1º PO (> 1000 UI/L). Dos fatores relacionados ao paciente (IMC, comorbidades, uso de estatinas e consumo de álcool), nenhum apresentou significância estatística em relação a elevação de CK. Já nos fatores relacionados ao procedimento cirúrgico, o uso de succinilcolina na indução anestésica também não apresentou significância estatística, porém o tipo de cirurgia (laparotômica), e os tempos cirúrgico e anestésico foram significativos (p<0,05). Houve correlação entre a elevação de CK com a elevação de TGO e de TGP. O pico de CK foi identificado no 1º PO da cirurgia. Conclusão: Os pacientes que foram submetidos à cirurgia bariátrica aberta, e que tiveram um tempo cirúrgico e/ou anestésico prolongado apresentaram maior probabilidade de desenvolver a rabdomiólise no PO.por
dcterms.creatorSantos, Ivan Matavelli-
dcterms.issued2015-12-04-
dcterms.languagePorpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Medicinapor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.subject.cnpqMedicinapor
dc.publisher.courseMestrado Profissional em Medicinapor
dc.contributor.refereeLeal, Antonio José Gonçalves e-
dc.contributor.refereeSantos, Maria Carmen Lopes Ferrira Silva-
dc.contributor.refereeEttinger, João Eduardo Marques Tavares de Menezes-
Aparece nas coleções:PPGMED - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_9352_Dissertação - Texto.pdf610.03 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.