Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6124
Title: Efeito de diferentes periodizações do treinamento aeróbio sobre o limiar anaeróbio ventilatório
metadata.dc.creator: Sauer, Deborah
Keywords: Limiar anaeróbio;Treinamento;Consumo de oxigênio;Exercício;Aptidão física;Anaerobic threshold;Training;Oxygen consumption;Exercise;Physical fitness
Issue Date: 26-Feb-2013
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: SAUER, Deborah. Efeito de diferentes periodizações do treinamento aeróbio sobre o limiar anaeróbio ventilatório. 2013. 66 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Pedagógicos e Culturais da Educação Física) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2013.
Abstract: There are in the literature a large number of studies evaluating the effects of training on the ventilatory anaerobic threshold (VAT) of individuals with different physiological profiles. However, none of them investigated a possible influence of the application of overload in exercise intensity on this parameter, in a periodized way. The main objective was to study the effect of aerobic training, with progression of intensity, in a way undulatory, growing and stepped on the VAT and VO2peak. Secondarily to evaluate the effects of training on ventilatory efficiency and heart rate (HR) associated with VAT. It was hypothesized that the VAT increased would be enhanced in the group with a model of periodization growing, and that the absolute increase of VAT would exceed the peak VO2 increase of the three groups. Were recruited 48 healthy, active men and randomly assigned to three groups: growing (GROW n = 15), undulatory (UND n = 18) and stepped (STEP n = 15). The groups were subjected to 13 weeks of walking and / or running, three times a week for 30 minutes. The initial intensity of 65% HRmax was increased to 90% of HRmax, for the three groups, but the structure of this progression occurred differently for each group. The three groups increased VO2VAT (UND: 29,1 ± 4,3 vs. 32,2 ± 4,1; GROW: 29,9 ± 4,6 vs. 34 ± 5,7; STEP: 32,8 ± 4,6 vs. 35,7 ± 4,9 ml.kg-1.min-1. p <0.05), VO2peak (UND: 52,6 ± 6,8 vs. 57,8 ± 10,4; GROW: 52,9 ± 10,2 vs. 57,7 ± 10,4; STEP: 54,2 ± 8,1 vs. 61,5 ± 8,7. ml.kg-1.min-1 p <0.05), and ventilatory efficiency, but no were differences between them. The absolute magnitude of the increase in the VAT and VO2peak, was proportional on UND and GROW groups, but the increase of VO2peak on STEP group was superior to that found in VO2VAT. There were no changes in %VO2VAT and FC at VAT. It was concluded that 1) the progression models of intensity stepped and undulatory showed the same efficacy as the model growing in increasing the VAT and VO2peak; 2) the absolute increase of VAT was not superior to that found in VO2peak on three groups; 3) there was a maintenance of measure of HR at VAT after training; 4) the increase in ventilatory efficiency in the conditions of the present study was not affected by the total training load
Existe na literatura um grande número de estudos, avaliando os efeitos do treinamento sobre o limiar anaeróbio ventilatório (LAV) de indivíduos com diferentes perfis fisiológicos. No entanto, nenhum deles investigou uma possível influência da aplicação da sobrecarga na intensidade do esforço sobre esse parâmetro, de forma periodizada. O objetivo principal foi estudar o efeito do treinamento aeróbio, com progressão da intensidade ondulatória, crescente e escalonada, sobre o LAV e VO2pico, e secundariamente avaliar os efeitos do treinamento sobre a eficiência ventilatória e frequência cardíaca (FC) associada ao LAV. Foi hipotetizado que o aumento do LAV seria potencializado no grupo com periodização crescente e que o aumento absoluto do LAV seria superior ao aumento do VO2pico nos três grupos. Foram recrutados 48 homens saudáveis e ativos e distribuídos aleatoriamente em três grupos: crescente (GCRES n=15), ondulatório (GOND n=18) e escalonado (GESC n=15). Os grupos foram submetidos a 13 semanas de caminhada e/ou corrida, três vezes por semana, por 30 minutos. A intensidade inicial de 65% da FCmáx. foi incrementada até 90% da FCmáx., para os três grupos, porém a estruturação dessa progressão ocorreu de forma distinta para cada grupo. Os três grupos aumentaram o VO2LAV (GOND: 29,1±4,3 vs. 32,2±4,1; GCRES: 29,9±4,6 vs. 34±5,7; GESC: 32,8±4,6 vs. 35,7±4,9 ml.kg-1.min-1. p <0,05), o VO2pico (GOND: 52,6±6,8 vs. 57,8±10,4; GCRES: 52,9±10,2 vs. 57,7±10,4; GESC: 54,2±8,1 vs. 61,5±8,7 ml.kg-1.min-1 p<0,05), e a eficiência ventilatória, porém sem diferenças entre eles. A magnitude do aumento absoluto no LAV e VO2pico (delta), foi proporcional no GOND e GCRES, mas no GESC o aumento do VO2pico foi superior ao encontrado no VO2LAV. Não houve alteração no %VO2LAV e FC no LAV. Concluiu-se que 1) os modelos de progressão da intensidade escalonado e ondulatório apresentaram a mesma eficácia que o modelo crescente no aumento do LAV e VO2pico; 2) o aumento do LAV não foi superior ao aumento do VO2pico nos três grupos; 3) houve uma manutenção da FC medida no LAV após o treinamento; 4) o aumento da eficiência ventilatória nas condições do presente estudo não foi afetado pela carga total de treinamento
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6124
Appears in Collections:PPGEF - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Deborah Sauer.pdf852.48 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.