Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6522
Título: Olhando uma realidade, olhando o outro : representações sociais da pobreza e do usuário entre os profissionais da assistência social
Autor(es): Carvalho, Anailza Perini de
Orientador: Leite, Izildo Corrêa
Palavras-chave: Pobreza
Usuários da política de assistência social
Profissionais da assistência social
Poverty
Social care policy users
Social care professionals
Social representations
Data do documento: 15-Dez-2010
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Este trabalho tem como objeto as representações sociais da pobreza e do usuário pobre da assistência social existentes entre os profissionais que trabalham na implementação da Política de Assistência Social da Prefeitura de Vitória (ES). Seu objetivo principal é identificar e analisar tais representações. Como procedimentos metodológicos da investigação que o fundamenta, realizamos pesquisa bibliográfica, pesquisa documental, observação não participante, entrevista semi-estruturada com profissionais de diferentes categorias que atuam na implementação daquela política e análise de conteúdo, para o que foram de importância capital alguns eixos principais da Teoria das Representações Sociais. A partir do pressuposto de que as atividades desenvolvidas pelos profissionais, nas políticas sociais seja em sua formulação, seja em sua execução , são, em grande parte, fundamentadas em escolhas baseadas nos valores por eles adotados, de maneira explícita ou implícita, chegamos às seguintes conclusões: os profissionais entrevistados apresentam os Centros de Referência da Assistência Social como importante espaço de participação pelos usuários, mas, ao mesmo tempo, consideram existir limites a essa participação; manifestam conhecimento da assistência social como direito, mas parte deles ainda refere-se a ela com um linguajar que lembra a prática do favor; afirmam que o sistema capitalista e a própria história são responsáveis pela existência da condição de pobreza, mas, de maneiras diversas, a maioria deles acaba culpabilizando o pobre pela situação em que vive; representam os usuários a partir do pressuposto da falta, tendendo a vê-los, assim, como ―não sujeitos‖; devido a isso e a não representar os usuários da Política de Assistência Social em sua positividade concreta, podem, ainda que involuntariamente, contribuir para obstaculizar o protagonismo e a participação efetiva daqueles usuários na Política de Assistência Social e na luta por direitos.
This study examines the social representations of poverty and of the poor users of social care services existing among professionals that implement the Social Care Policy in the City of Vitória, ES (Brazil). Its main purpose is to identify and analyze these representations. Bibliographical research, documental research, non-participant observation, semi-structured interviews with professionals of various categories that implement such policy and content analysis approach were carried out as methodological procedures to support this study. Some of the main lines of the Social Representation Theory were essential in this investigation. Based on the assumption that the activities performed by social policy professionals, whether in its planning or in its accomplishment, are mostly founded on choices based on the values explicitly or implicitly adopted by them, we concluded the following: the professional interviewed see the Social Care Reference Centers as important spaces for users participation, but, on the other hand, they consider that there are restrictions to such participation; the professionals acknowledge social care as a right, but some of them still refer to it as if it were a favor done; they claim the capitalist system and history itself are responsible for poverty, but in different ways they blame the poor themselves for their situation; because their representations of the users are based on the lack paradigm, they tend to see the users as ―non-subjects‖; for this reason and for not representing Social Care Policy users by taking into account their ―concrete positiveness‖, such professionals can, even though unintentionally, contribute to hindering users protagonism and their effective participation in Social Care Policy and in the fight for rights.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6522
Aparece nas coleções:PPGPS - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Anailza Perini de Carvalho.pdf2.05 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.