Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6795
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorGuerra, Selva Maria Gonçalves-
dc.creatorMarba, Luciana Fernandes-
dc.date.accessioned2017-05-15T11:44:44Z-
dc.date.available2017-05-17T06:00:04Z-
dc.date.issued2013-01-25-
dc.date.submitted2013-01-25-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/6795-
dc.description.abstractThe dental ceramics used for making indirect aesthetic restorations can be affected by cracks or fractures during lifetime in the oral environment. This study aims to evaluate the influence of sociodemographic and facial pattern in maximum bite force and consequently the incidence of fractured crowns partial or full ceramic. Data were collected on sociodemographic characteristics and clinical variables from the reading of dental records; facial pattern of the sample from the cephalometric x-ray; values of the maximum bite force were measured from the compression of the sensor FLEXIFORCE EFL (Tekscan, Boston, USA) positioned on the first molar. The statistical non-parametric Mann-Whitney test was applied and the results were tabulated. From the 25 study participants, 16 were females and 9 were males. The age of participants ranged from 30 to 60 years old or more, whereas 15 (60%) were between 30 to 49 years old and 10 (40%) presented with 50 or more years old, with a mean age of 48.92 ± 9 years old. The group had an average maximum bite force of 213N ± 84N. Men showed higher maximum bite force when compared to women (p = 0.05). Males had higher maximum bite force. It was not able to determine the influence of age and facial pattern in the magnitude of maximum bite force. The study found a higher incidence of fractures in male subjects, in subjects aged 30 to 49 years and patients with facial pattern brachycephalic, with different values of maximum bite force.pt_BR
dc.format.mediumtexten
dc.language.isoporen
dc.rightsopen accessen
dc.subjectForça de mordidapt_BR
dc.subjectFacept_BR
dc.subjectCerâmicaspt_BR
dc.titleEstudo clínico da influência da força de mordida e do padrão facial na resistência à fratura de diferentes tipos de coroas de cerâmicaspt_BR
dc.typemasterThesisen
dc.subject.udc616.314pt_BR
dc.contributor.advisorcoMattos, Cláudia Machado de Almeida-
dc.contributor.memberMattos, Cláudia Machado de Almeida-
dc.contributor.memberSousa, Edson Antônio Capello de-
dc.description.resumoAs cerâmicas odontológicas utilizadas para a confecção de restaurações estéticas indiretas podem ser acometidas por trincas ou fraturas durante a vida útil em meio bucal. Este estudo teve como objetivo principal avaliar a influência das características sociodemográficas e do padrão facial na força máxima de mordida e, consequentemente, na incidência de fraturas de coroas parciais ou totais de cerâmica. Foram coletadas informações sobre as características sociodemográficas e variáveis clínicas a partir da leitura dos prontuários odontológicos; do padrão facial dos indivíduos da amostra a partir dos traçados cefalométricos; dos valores da força máxima de mordida a partir da compressão do sensor de força Flexiforce EFL (Tekscan,Boston, EUA) posicionado sobre o primeiro molar. Foi aplicado o teste estatístico não-paramétrico de Mann-Whitney, e os resultados foram dispostos em tabelas. Dos 25 participantes do estudo, 16 pertenciam ao gênero feminino e 9 ao gênero masculino. A faixa etária dos participantes variou entre 30 a 60 anos ou mais, sendo que 15 (60%) apresentavam-se entre 30 a 49 anos e 10 (40%) apresentavam-se com 50 anos ou mais, com uma média de idade de 48,92 ± 9 anos. O grupo apresentou uma força máxima de mordida média de 213N± 84N. Os homens apresentaram maiores valores de força máxima de mordida quando comparados ao grupo das mulheres (p=0,05). O gênero masculino apresentou maiores valores de força máxima de mordida. Não foi possível a determinação da influência da faixa etária e do padrão facial na magnitude da força máxima de mordida. Percentualmente ocorreu maior incidência de fratura nos indivíduos do gênero masculino, nos indivíduos na faixa etária de 30 a 49 anos e nos indivíduos com padrão facial braquicéfalo, os quais apresentam distintos valores de força máxima de mordida.pt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Clinica Odontológica-
dc.subject.cnpqClínica Odontológica-
dc.publisher.courseMestrado em Clinica Odontológica-
Appears in Collections:PPGCO - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
LUCIANA MARBA 2015.pdf3.78 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons