Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8264
Title: Caracterização química e física de vinhos de mesa do norte do Espírito Santo e diferente regiões do Brasil
metadata.dcterms.creator: COSTA, Amanda.
metadata.dcterms.issued: 31-Mar-2016
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
metadata.dcterms.abstract: A viticultura brasileira se consolidou em meados do século XIX, com a introdução da cultivar de uva americana Isabel (Vitis labrusca) pelos imigrantes italianos, substituindo os vinhedos de uvas européias (Vitis Vinifera). Sendo uma das principais matérias primas para a elaboração do vinho de mesa no Brasil, a cultivar Isabel apresenta uma boa adaptação às condições ambientais, e uma elevada capacidade produtiva e baixa susceptibilidade às principais doenças fúngicas que atacam a videira. Vinhos elaborados com uvas da espécie Vitis labrusca possuem a preferência de muitos consumidores brasileiros, assim, a viticultura vem se expandindo em todo território nacional dando as características de cada região para o vinho nela elaborado. Assim, objetivou-se nesse trabalho caracterizar vinhos elaborados com uva Isabel produzidos em diferentes regiões brasileiras. No primeiro experimento avaliaram-se vinhos produzidos no norte do Espírito Santo com as cultivares Isabel, Bordô, e um Blend (Isabel + Bordô). No segundo experimento caracterizou-se vinhos produzidos com a cultivar Isabel de quatro estados (Espírito Santo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Pernambuco), e duas safras (2014 2015). Os experimentos foram compostos por três repetições cada, e as variáveis analisadas foram: teor alcoólico (°GL), acidez total e volátil (g.L-1 ), extrato seco (g.L- 1 ), SO2 livre e total, índice de cor, tonalidade (420nm + 520nm), polifenóis totais (g.L- 1 ), antocianinas (mg.L-1 ), compostos fenólicos (mg.L-1 ), e ácidos orgânicos. No primeiro experimento observam-se diferenças significativas entre as cultivares, sendo que a cultivar Isabel obteve as maiores médias para as variáveis teor alcoólico (10,50 °GL) e pH (3,56), em relação a acidez o Blend apresentou a maior média (9,30 g.L-1 ), para as outras variáveis estudadas observa-se que a cultivar Bordô se destacou. No segundo experimento pode-se constatar diferenças significativas entre os estados e entre as safras, sendo que o estado de MG apresentou a maiores médias para as variáveis teor alcoólico, extrato seco, antocianinas e índice de cor. Palavras-chave: Vitis labrusca, vinho de mesa, Isabel, Bordô.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8264
Appears in Collections:PPGAT - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_8796_62 - Amanda Costa20160620-151008.pdf1.02 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.