Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8340
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorVargas, PRM
dc.date.accessioned2018-08-01T23:27:39Z-
dc.date.available2018-08-01
dc.date.available2018-08-01T23:27:39Z-
dc.identifier.citationARAUJO, L. K., ÁREA PLACENTÁRIA EM CASOS DE MORTE PERINATALpor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/8340-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleÁREA PLACENTÁRIA EM CASOS DE MORTE PERINATALpor
dc.typemasterThesisen
dc.contributor.memberChecon, RE
dc.contributor.memberAntônio C. Filho
dc.contributor.memberL.C. FRANCA
dcterms.abstractA área placentária (AP) reflete a área endometrial ocupada pela placenta e o suprimento sanguíneo uteroplacentário ao feto. Recentemente, tem sido demonstrado que a AP é um determinante precoce e independente de crescimento fetal e um marcador de desfecho reprodutivo ruim e de condições e doenças da vida adulta (hipótese de Barker). Há poucos estudos sobre a AP em condições e doenças fetais e nenhum em óbitos perinatais. Objetivo: Descrever a distribuição e as anormalidades da AP em óbitos perinatais. Material e métodos: Dentre as placentas de óbitos perinatais encaminhadas para exame anatomopatológico entre 2004 e 2014 a dois laboratórios de Vitória, ES, foram selecionadas 258 casos com idade gestacional (IG) confirmada por ultrassonografia. O contorno da placenta foi delineado em folha plástica transparente e a AP calculada por planimetria, convertida em escore z (z/IG), categorizada como pequena (PIG, z/IG < -1,28), adequada (AIG) e grande (GIG, z/IG > +1,28) e sua ocorrência determinada segundo o nível socioeconômico, o ambiente (fetal ou neonatal) e a cronologia do óbito. Resultados: A distribuição da AP nos óbitos perinatais apresenta desvio para valores menores, grande variação (z/IG: -0,89 ± 1,81), maior ocorrência de PIG (46,5%) e a proporção esperada de GIG (12,8%), sem apreciável variação quanto ao nível socioeconômico, o ambiente e a cronologia do óbito. Conclusões: Estes resultados confirmam que a AP é um marcador de desfecho perinatal ruim e aduzem evidência para sua rotineira aferição e avaliação nos exames ultrassonográfico e anatomopatológico. Palavras-chave: PLACENTA/CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO; TAMANHO DE ÓRGÃO; MORTALIDADE PERINATAL; IDADE GESTACIONAL; EPIDEMIOLOGIA.por
dcterms.creatorARAUJO, L. K.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2015-03-05
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Medicinapor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado Profissional em Medicinapor
Aparece nas coleções:PPGMED - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_8583_Larissa Kerr de Araújo.pdf787.61 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.