Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8971
Title: Abordagem Crítica Sob a Ótica da Ação Comunicativa de Habermas: Gestão Participativa no Campus Serra do IFES
metadata.dc.creator: CASTRO, E. L. T.
Keywords: Administração Pública;Prática de Gestão Participativa
Issue Date: 27-May-2015
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: CASTRO, E. L. T., Abordagem Crítica Sob a Ótica da Ação Comunicativa de Habermas: Gestão Participativa no Campus Serra do IFES
Abstract: O estudo teve como objetivo compreender de forma crítica como se caracteriza a gestão participativa no campus Serra do Ifes, a partir do entendimento e do processo interativo dos servidores Técnico-administrativos (TAEs) das classes C, D e E, e das chefias imediatas. Para tanto, a Teoria da Ação Comunicativa (TAC) de Jürgen Habermas, bem como sua proposta de democracia deliberativa foram empreendidas como marco teórico para compreensão desse processo e os conceitos norteadores da TAC (atos de fala, mundo da vida, sistema, colonização do mundo da vida, esfera pública, ação comunicativa e instrumental ou estratégica) foram empregados como elementos de análise das estruturas relevantes identificadas na pesquisa. Esse trabalho caracteriza-se como uma pesquisa de abordagem qualitativa e possui um enfoque crítico com visão dialética da realidade social. A análise foi realizada considerando o duplo efeito que a prática da gestão participativa pode significar: como comprometimento com o desempenho e reforço do sistema capitalista; e como resistência dos trabalhadores organizados às formas de dominação e controle. Os dados empíricos foram produzidos por meio de pesquisa documental, observação participante e entrevista semiestruturada. Foram entrevistados oito TAEs subordinados e 13 chefias imediatas, selecionados conforme o critério da bola de neve. Utilizou-se a análise de conteúdo para o tratamento das informações obtidas nas entrevistas. Os resultados apontam para a construção de ações participativas de cunho instrumental, estabelecidas a partir dos interesses da gestão, de grupos específicos e individuais. Sendo assim, a prática da gestão participativa caracteriza-se como um espaço estratégico para alcance do êxito e não do entendimento, onde os TAEs são corresponsáveis no processo de manutenção e construção dos fenômenos que emperram o desenvolvimento de uma participação democrática.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8971
Appears in Collections:PPGADM - Dissertações de mestrado



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.