Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10521
Title: IMPACTOS Socioeconômicos da Infecção do Pé Diabético
metadata.dc.creator: BASSETI, B. R.
Keywords: infecção do pé diabético;custos;PEDIS;tratamento;
Issue Date: 22-May-2018
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: BASSETI, B. R., IMPACTOS Socioeconômicos da Infecção do Pé Diabético
Abstract: Diabetes mellitus (DM) é uma doença grave, progressiva e, muitas vezes, negligenciada. A infecção do pé diabético (IPD) é uma das principais e mais complexas complicações observadas em pacientes com DM. O objetivo deste estudo foi avaliar os impactos socioeconômicos do tratamento dos pacientes e descrever os microrganismos causadores das infecções do pé diabético em um serviço terciário de referência do Estado do Espírito Santo. Trata-se de uma coorte retrospectiva com base na análise de prontuários quanto a condutas específicas (amputações, terapia antimicrobiana) e custos quanto aos componentes: internação, material e medicamentos, antibioticoterapia, sala cirúrgica e procedimentos. Também foram avaliados qualidade de vida, retorno as atividades diárias e laborativas e aposentadoria. Os dados foram distribuídos de acordo com a classificação de PEDIS (perfusion, extension, deep, infection, sensibility) na admissão dos pacientes para permitir uma comparação entre aqueles pacientes classificados como PEDIS 2, 3 ou 4. Dos 46 pacientes arrolados no estudo, 24% foram classificados como PEDIS 2, 39% como PEDIS 3 e 37% como PEDIS 4. Foi observado um aumento de pelo menos seis vezes no custo do manejo dos pacientes classificados como 3 (R$ 34.610,66) PEDIS 4 (R$ 48.416,71) em relação àqueles classificados como PEDIS 2 (R$ 5.361,94). Dentre os componentes avaliados, os gastos atribuídos ao componente internação de maior peso, com 52,2% do total, seguido por sala cirúrgica (20,3%) e materiais e medicamentos (13,9%). Há uma elevada taxa de amputações já na primeira internação, de 56%, sendo 61% delas menores. Vinte e dois pacientes foram reinternados, a maioria (63%) de forma precoce para cirurgia plástica, entretanto 31% retornaram ao hospital para sofrer amputações maiores. Após o tratamento cirúrgico, 15% foram aposentados e passaram a receber benefício do Governo. Segundo declaração dos próprios pacientes, 59% tornaram-se total ou parcialmente dependentes para a execução de atividades básicas diárias após amputação. Dessa forma podemos destacar um aumento no custo econômico e social na condução de casos mais graves (PEDIS 3 e 4) em relação àqueles menos complexo, como o PEDIS 2.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10521
Appears in Collections:PPGBIO - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_12609_Dissertacao_Bil Randerson Bassetti.pdf1.2 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.