Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1087
Title: Currículo e atendimento educacional especializado na educação infantil : possibilidades e desafios à inclusão escolar
metadata.dc.creator: Cotonhoto, Larissy Alves
Issue Date: 2014
Abstract: Esta pesquisa teve como objetivo geral compreender a proposta/ prática curricular do Atendimento Educacional Especializado (AEE) na Sala de Recursos Multifuncionais (SRM) enquanto função complementar na educação da criança pequena com deficiência e Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD). Partimos das constatações de que, nas duas últimas décadas, documentos oficiais, assim como pesquisas na área, apontam a necessidade de um trabalho pedagógico inclusivo, que atenda às demandas e características dos diferentes sujeitos matriculados. Questionamos se a proposta e prática curricular complementar do AEE, por meio da SRM, têm contribuído para a inclusão da criança pequena, público alvo da educação especial, nas práticas pedagógicas da sala de aula comum? Teoricamente buscamos as contribuições da Abordagem Histórico-Cultural para compreender o desenvolvimento e aprendizagem da criança com deficiência, assim como procuramos a interlocução com os teóricos do currículo, entre os quais Sacristán. Como metodologia, utilizamos a pesquisa-ação colaborativo-crítico. O lócus da pesquisa foi um Centro de Educação Infantil, situado em Vitória/ES, com uma sala de recurso multifuncional, modelo proposto pelo Ministério da Educação (MEC). Os sujeitos participantes foram crianças de 3 a 7 anos matriculadas no Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) e encaminhadas para o AEE, na SRM (seis crianças surdas, sete crianças com manifestações de TGD e uma criança com Síndrome de Down); dois professores de educação especial da SRM (uma professora da área da área de Deficiência Intelectual (DI), uma professora bilíngue e um instrutor surdo); professores regentes do turno da manhã CMEI e dois pedagogos. Como perspectiva teórico-metodológica, optamos pela rede significações (Rossetti-Ferreira, 2004) que tem seus pressupostos fundamentados na teoria histórico-cultural, que compreende os processos de desenvolvimento humano como atos de significação constituídos por múltiplas interações estabelecidas social e culturalmente pelos sujeitos durante toda a vida. A organização e análise dos dados ocorreram por meio dos movimentos, cenários e atores; as práticas curriculares inclusivas na/da escola: a SRM e a sala de aula comum em seus encontros e desencontros; a preocupação com o desenvolvimento psicomotor da criança; o brincar versus a aquisição da leitura e escrita; o diálogo entre o currículo da SRM e a sala de aula comum e os encontros colaborativos com os professores de educação especial, com as pedagogas e com as professoras regentes do CMEI. Algumas considerações importantes se destacam, entre as quais: a falta de formação e desconhecimento por parte dos professores de educação especial sobre a proposta curricular da educação infantil e práticas pedagógicas descontextualizadas e fragmentadas desenvolvidas na SRM, que dificultam a ação complementar ao trabalho da classe comum. Para as professoras das salas de atividades o AEE é viável na escola de educação infantil, mas não somente na SRM, concordam que deve haver o atendimento educacional especializado no turno em que a criança esteja matriculada; que ele pode ajudar na inclusão da criança público alvo da educação especial, por meio de práticas sociais e culturais lúdicas, linguísticas e intelectuais. Concluímos que as professoras desejam um AEE dinâmico, interlocutor, que se movimente na escola como um todo.
This study aims at understanding the curricular proposal and practice of Specialized Education Service (EES) in Multifunctional Resource Classrooms (MRC) as a complementary tool in education for young toddlers with disabilities and pervasive developmental disorders (PDD). The starting point was verifying that in the past two decades, official documents, as well as studies in this field pointed to the need of pedagogical work in preschool from an inclusive perspective to meet the needs and characteristics of the different individuals enrolled. Official documents recommend team work, partnerships and support by specialized services for assessing, meeting specific needs and guiding curricular discussions, modifications and complementation so that every young child enrolled can access the proposed curriculum in a regular classroom. But, have curricular the proposal and practice complementary to EES of MRC contributed to inclusion of young children with disabilities and PDD in regular classroom pedagogical practice? In terms of theory, we sought the contributions of Historical-Cultural Approach to understand the development and learning of children with disabilities. We also sought to be grounded on curriculum theoreticians such as Sacristán. As methodology, we adopted collaborative critical action research. The study took place in a Municipal Center for Children Education (CMEI) located in the City of Vitoria, ES, Brazil, which has a multifunctional resource classroom such as proposed by the Brazilian Ministry of Education (MEC). Participants were children aged from 3 to 7, who were enrolled and forwarded to EES and MRC (6 deaf children, 7 children with PDD events and 1 child with Down Syndrome); two MRC Special Education teachers (1 teacher specialized in Intellectual Disability), 1 bilingual teacher and 1 deaf instructor; head morning teachers and two pedagogues. As theoretical-methodology, we opted for the network of signification (Rossetti-Ferreira, 2004), which is founded on historical-cultural theory, comprising processes of human development as acts of signification constituted by multiple interactions established socially and culturally by individuals throughout life. Organization and analysis of data took place based on movements, scenarios and actors; inclusive curricular practice in schools: MRC and regular classrooms in their comings and goings; concern about children’s psychomotor development; play versus reading and writing acquisition; dialogue between MRC curriculum and regular classrooms and collaborative meetings with special education teachers. pedagogues and CMEI head teachers. Some important highlights should be mentioned: Teachers still lack training and knowledge about Special Education and the curricular proposal for children education; and decontextualized and fragmented pedagogical practices in MRC make it difficult to complement regular classroom work.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1087
Appears in Collections:PPGE - Teses de doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese. Larissy.Texto.pdf1.67 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons