Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10878
Title: História Evolutiva do Gênero Priolepis (Pisces: Gobiidae) no Atlântico
metadata.dc.creator: QUINTAO, T. L.
Issue Date: 13-Feb-2019
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: QUINTAO, T. L., História Evolutiva do Gênero Priolepis (Pisces: Gobiidae) no Atlântico
Abstract: Priolepis (Valenciennes,1837) é um gênero de pequenos peixes bentônicos, da família Gobiidae, associado principalmente a ambientes recifais e distribuído em diferentes gradientes de profundidade. Grande parte da sua biodiversidade concentra-se no Indo Pacífico (32 espécies), com exceção das espécies Priolepis hipoliti, P. dawsoni, P. ascensionis e P. robinsi, presentes no Atlântico. Estas espécies, exceto P. robinsi, têm sua distribuição limitada por barreiras biogeográficas indicando assim, origem por especiação alopátrica. Neste estudo, buscamos pela primeira vez compreender a história evolutiva do gênero Priolepis no Atlântico utilizando marcadores moleculares e sequenciamento Sanger. Testamos as hipóteses de i) divergência entre as linhagens do Caribe e Brasil por vicariância e ii) formação da linhagem de Ascensão por especiação peripátrica. Análises de filogenia, usando os genes COI, Citb,12s, ND2, e S7, foram integradas às de filogeografia, com os genes COI e Citb (em P. dawsoni), a fim de gerar melhor compreensão sobre a evolução do grupo estudado. Análises filogenéticas de distância-p, Inferência Bayesiana e Relógio Molecular foram realizadas para determinar a proximidade evolutiva entre as espécies do Grupo Priolepis bem como inferir se o tempo de divergência entre elas está associado a processos históricos evolutivos. Para compreender a história demográfica das populações utilizamos índices de diversidade genética (haplotípica e nucleotídica), testes de neutralidade e o método de Coalescência Bayesiana Skyline Plot para avaliar as flutuações populacionais ao longo do tempo. Por último, verificamos a relação hierárquica entre os haplótipos de cada espécie e testamos as evidências de estruturação encontradas em Priolepis dawsoni usando o índice Fst e análises de variância molecular (SAMOVA e AMOVA) para o Citb. Nossos resultados mostraram grande correlação entre as divergências encontradas em Priolepis e eventos geológicos e climáticos. Sua história evolutiva se inicia com o fechamento da passagem de Tethys resultando no isolamento e origem do Clado Atlântico (~13 Ma). Apenas dois milhões de anos depois (~10,5 Ma), a formação da barreira do Amazonas dividiu as linhagens do Atlântico norte e sul, corroborando nossa hipótese inicial de especiação alopátrica por vicariância. A hipótese de especiação alopátrica peripátrica para Ascensão também foi corroborada e o melhor cenário para explicar a origem de P. ascensionis é a dispersão a partir do Brasil. As análises filogeográficas e demográficas apontam grande diversidade genética em todas as espécies e também sugerem que a história evolutiva das populações estudadas foi influenciada pelas variações climáticas do Pleistoceno e que o hábito generalista destas pode facilitar a dispersão entre regiões distantes e ambientes diferentes. Por último, a comprovação molecular de espécimes de P. dawsoni no Caribe indicam que seu status de endêmico do Brasil deve ser reavaliado.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10878
Appears in Collections:PPGOAM - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_12974_Quintao.Dissertacao.pdf2.67 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.