Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1115
Title: Crítica à concepção hegemônica de "erradicação da pobreza" : um estudo sobre a estratégia de naturalização e gestão da barbárie no Espírito Santo
metadata.dc.creator: Mascarenhas, Raquel Mota
Issue Date: 2014
Abstract: Com base em pesquisa bibliográfica e documental, e fazendo uso da análise de conteúdo, este trabalho tem como objetivo geral analisar a meta erradicar a pobreza até 2025, constituinte do Plano de Desenvolvimento Espírito Santo 2025. Compreendemos que essa meta faz parte do modelo de ―desenvolvimento sustentado‖ elaborado pela burguesia capixaba, organizada no Movimento Empresarial Espírito Santo em Ação, e em articulação com o executivo estadual e a Petrobrás, sem que tenha havido participação de trabalhadores na elaboração do Plano mencionado. Seguem-se as principais conclusões. A meta em questão foi construída sob o marco ideopolítico e teórico da ―internacionalização do combate à pobreza‖, transpondo-se para o território estadual o discurso hegemônico de erradicação daquela condição social, entendida como sendo, em última análise, de responsabilidade do indivíduo, e não enquanto consequência direta do modo de produção capitalista. Além disso, os pobres são compreendidos, na elaboração da meta, de forma dual: ora identificados através do ―pressuposto da falta‖, ora enquanto ―agentes‖ livres para construir seu próprio futuro. Em consequência dessa dualidade, são propostas duas vias de ação tidas como essenciais para ―erradicar a pobreza‖: uma, centrada na transferência de renda para os que vivem na pobreza mais acentuada, e outra, na concessão de (micro)crédito para os pobres não miseráveis, com vistas a possibilitar que se tornem ―empreendedores‖. A meta analisada visa contribuir para promover a ―paz social‖, através da contenção dos pobres e de sua latente revolta diante de sua degradada condição de vida em território espírito-santense, o que demonstra sua funcionalidade para naturalizar e gerir a barbárie que marca a contemporaneidade capitalista.
Based on bibliographical and documental research, as well as content analysis approach, this study aims at analyzing the goal of ―eradicating poverty until 2025‖, which is part of the Espírito Santo 2025 Development Plan. We understand this goal as a part of the ―sustainable development‖ model created by the bourgeoisie of Espírito Santo, organized in the Espírito Santo in Action Business Movement, integrated with the state government and Petrobras, without the participation of workers in that creation. The main conclusions are as follows. The goal referred to above was built on the ideo-political and theoretical field of the ―internationalization of the attack on poverty‖ and by transposing to the state territory the hegemonic discourse of eradicating such a social condition, which is seen, ultimately, as caused by the very individuals, not as a direct consequence of the capitalist mode of production. Besides, the poor are considered, in the making of that goal, in two ways: sometimes, they are identified through the ―paradigm of lack‖; sometimes, they are seen as ―agents‖ that are free to build their own future. As a consequence of this duality, two kinds of proposals are presented in order to ―eradicate poverty‖: one, centered on income transfer to those living in extreme poverty; the other, based on granting (micro)credit to the not extremely poor people, so that they can become ―entrepreneurs‖. The goal analyzed aims at contributing to promote the ―social peace‖ by controlling the poor and suppressing their latent uprising in face of their degraded life condition in the state of Espírito Santo, which shows that its role is naturalizing and managing the barbarism marking the capitalist contemporaneity.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1115
Appears in Collections:PPGPS - Dissertações de mestrado



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons