Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1141
Title: Pensando o currículo com as crianças: ou sobre aprendizagens inventivas na educação infantil
metadata.dc.creator: Fiorio, Angela Francisca Caliman
Issue Date: 2014
Abstract: Ninguém consegue sair ileso de um encontro com o currículo e com a escola, principalmente diante de relações tão assimétricas de poder que não valorizam o que as crianças têm a dizer. Quantas narrativas curriculares sobre as crianças? Quantas narrativas curriculares com as crianças? As narrativas e as fotografias se seguirão nesta pesquisa, porque com elas nos colocamos a pensar nos processos de criação curricular, explorando novas sensibilidades, novas maneiras de ver e falar, a partir das redes de sentidos, forjadas nos contextos vividos, imaginados ou pensados, dentrofora da escola. Também incluímos a forma como as crianças se relacionam com as práticas pedagógicas dos professores e do modo como se relacionam com a escola. Nessa perspectiva, interessa-nos pensar em como os usos (CERTEAU, 1994) da imagem fotográfica são capazes de afetar (e até transformar) as práticas curriculares, traçando algo da potência da/na imagem fotográfica em sua função fabuladora por meio das oficinas de fotografias realizadas com as crianças em virtude da pesquisa. A fotografia se torna potente como um recurso para provocar a invenção tessitura de outros sentidos em currículo não porque em sua materialidade ela está repleta de sentidos de currículo à priori, mas porque pode ou não, ao ser usada (CERTEAU, 1994), ao ser vista pelas crianças, agenciar outros possíveis para o currículo. Assim, o foco da discussão não é a fotografia em si nem a criança em si, ou seja, não há protagonismo nem da criança nem da fotografia. O foco está nas relações, naquilo que nos passa, isto é, na experiência estética (LARROSA, 2004b) que ocorre ao entrarmos em contato, ao vermos, ao compormos com as fotografias! Nesse sentido, pensamos as oficinas de fotografias como um dispositivo de criação e produção de acontecimentos em currículo, considerando-as máquinas de fazer “ver e falar”, o que as justifica como uma estratégia narrativa capaz de produzir acontecimentos na imagem e no mundo. Que sentidos de currículo são produzidos em multiplicidades? Pelas minoridades pretendemos movimentar nosso pensamento: que quer pensar um currículo como fabulação sem dizer o que ele é, mas no que ele vai se transformando com a chegada das crianças. No encontro das imagens com as palavras, em que o currículo vai se transformando? Sob a mesma superfície chamada currículo em extensão com as crianças, co-habitantes, encontrar os modos de olhar esse currículo e de dizê-lo por meio das fotografias, das narrativas, dos cartazes, dos desenhos, das poesias... As conversas com as crianças provocam o real, colocam em desequilíbrio algumas ideias feitas em educação, exigindo reordenações e invenções de outros pensamentos para a educação. É dessa criação de efeitos impensáveis que surge a invenção de currículos possíveis. Aprender a olhar mais (até cansar!) aquilo que não percebemos no dia a dia tem uma dimensão política muito importante; por meio desse gesto (que aprendemos com as crianças) podemos criar um novo pensamento político em educação. A partir daquilo que nos dá a ver, as crianças vão inaugurar sentidos impertinentes, desestabilizadores daquilo que chamamos de currículo e escola. O desafio consiste em falar da força contida na imagem fotográfica sem vontade de interpretá-la ou descrevê-la, mas escrever e pensar pelas fotografias num movimento de criação de sentidos e acontecer por elas.
Nobody can get away from a meeting with the syllabus and the school, especially before such asymmetrical power relations that do not value what children have to say. How many curricular narratives about children? How many curricular narratives with children? The stories and photos will follow in this research, because with them we stand to think in processes of curriculum creation, exploring new sensibilities and new ways of seeing and speaking, from the networks of meanings, forged in experienced, thought or imagined contexts, inside or outside the school. We also include how children relate to the pedagogical practices of teachers and the way they relate to the school. In this perspective, we are interested in thinking about how the uses (Certeau, 1994) of the photographic image are able to affect (and even transform) the curricular practices, tracing somewhat of the power of the photographic image and its fabling function through photographic workshops held with the children by virtue of the research. The photograph becomes as powerful as a resource for provoking the texture invention of other senses in the curriculum in its materiality not because it is full of meanings curriculum a priori, but because it may or may not be used (Certeau, 1994), to be seen by children, to tout other possible for curriculum. Therefore, the focus of discussion is neither the photo itself nor the child itself, i.e., there is no role for the child or the photograph. The focus is on relationships, what happens to us, that is, the aesthetic experience (LARROSA, 2004b) that occurs when we touch and read, as we compose with the photographs! Accordingly, we think the workshops of photographs as a device for creating and delivering events in curriculum, considering the machines to "see and talk"; what justifies such a narrative strategy capable of creating events in the image and in the world. What ways are made in multiplicities curriculum? By minorities we intend to move our thought: we want to think of a resume as confabulation without saying what it is, but it is transformed with the arrival of children. In the encounter of the images with words, what is the curriculum being transformed into? Under the same surface called curriculum of extension with the children, cohabitants, to find ways to look at this curriculum and say it through photographs, stories, posters, drawings, poems... Conversations with children provoke reality; it puts some ideas made for education out of balance, requiring the reorder and inventions of other thoughts for education. It is this creation of unthinkable effects that arises invention of possible curriculum. Learning to look further (till you drop!) that which we do not realize on a day by day basis, has an important political dimension, through this gesture (we learn from the children) we can create a new political thinking in education. From what we can see, the children will usher in impertinent senses, unsettling what we call curriculum and school. The challenge is to speak of the power contained in the photographic image unwilling to interpret it or describe it, but writing and thinking through the photos to create movement of senses and make it happen through them.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1141
Appears in Collections:PPGE - Teses de doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese.Angela Francisca Caliman.pdf10.52 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons