Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1145
Title: O direito à memória e o ensino da história do conflito armado colombiano em um ambiente museal
metadata.dc.creator: Mojica, July Catalina Torres
Issue Date: 2014
Abstract: O direito à memória é o direito que tem a sociedade de conhecer, lembrar e procurar a verdade sobre seu próprio passado, sobretudo em situações de violência recente como é o conflito armado colombiano. O direito à memória pode ser garantido ou negado no campo da didatização da história. O ensino de história também acontece em espaços não escolarizados como os museus. O tema da pesquisa é: como os estudantes constroem explicações históricas sobre o conflito armado colombiano em um ambiente museal, e sua relação com o direito à memória. O trabalho de campo se desenvolve na Casa Museu Jorge Eliécer Gaitán (Bogotá - Colômbia), com estudantes das três últimas séries do sistema escolar colombiano. Partimos do pressuposto de que a Casa Museu Gaitán está vinculada não só a um passado doloroso, mas também a um presente conflituoso. As temporalidades superpostas deste espaço museal, são analisadas através das relações entre história acadêmica, história escolar e história cotidiana. Por isto, dialoga-se também com os conteúdos propostos para à área de Ciências Sociais e o livro didático. Garantir um direito à memória através do ensino de história, passa por combater as pretensões oficiais de impor uma memória única do passado, e oferecer ferramentas para que os estudantes possam construir explicações históricas a partir do raciocínio crítico. Isto é possível quando os estudantes confrontam as diferentes vozes que relatam o passado recente. No caso colombiano, garantir o direito à memória através do ensino de história da violência recente, é ainda mais complexo pela função que desenvolve o próprio Estado colombiano no meio do conflito armado.
The right to memory is the right that has society to met, remember and find the truth about his own past, especially in situations of recent violence as is the Colombian armed conflict. The right to memory can be granted or denied in the field of history teaching. The history teaching also happens in spaces not schooled as museums. The theme of the research is: how students build historical explanations about the Colombian armed conflict in a museum environment and its relation to the right to memory. The field work develops in the House Museum Jorge Eliecer Gaitan (Bogota-Colombia), with students from the last three grades of the Colombian school system. We start from the assumption that the House Museum Gaitán is linked not only to a painful past, but also to a troubled present. The superimposed temporalities of this museum, are analyzed through the relationships between academic history, school history and common history. For this, converses with the proposed contents for the area of social sciences and the textbook. Ensure a right to memory through the teaching of history, pass to combat official pretensions to impose a single memory of the past, and offer tools so that students can build historical explanations from the critical reasoning. This is possible when students compare different voices that narrate the recent past. In the Colombian case, ensure the right to memory through the teaching of history of recent violence, is even more complex for the role which develops the State itself in the middle of the Colombian internal armed conflict.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1145
Appears in Collections:PPGE - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao.July Catalina Torres.pdf3.56 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons