Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1148
Title: Estratégias de cálculo mental de alunos da 5ª série/6º ano do ensino fundamental
metadata.dc.creator: Santos, Daniel Moreira dos
Issue Date: 2014
Abstract: Esta pesquisa de mestrado teve como principal objetivo investigar estratégias de cálculo mental, utilizadas por alunos de uma 5ª série/6º ano do ensino fundamental ao resolver cálculos de adição e subtração. Para atingir este objetivo procuramos responder aos questionamentos: Quais estratégias de cálculo mental, alunos da 5ª série/6º ano empregam na resolução de cálculos de adição e subtração? Que relações existem entre o tipo de cálculo envolvido e a estratégia adotada para resolvê-lo? Para respondermos a essas questões, seguimos uma metodologia de natureza qualitativa, configurada como estudo de caso do tipo etnográfico. O trabalho de campo foi desenvolvido em uma turma de 5ª série/6º ano do ensino fundamental de uma escola pública da rede estadual de ensino do município de Serra. A pesquisa aconteceu de maio a dezembro de 2013. Oito alunos resolveram uma atividade diagnóstica composta de quatro sequências de cálculos mentais, a saber, fatos fundamentais do número 5, do número 10, do número 20 e do número 100, dentre adições e subtrações próximas a esses resultados. Todos alunos participaram da etapa de entrevistas. Dos oito alunos, foram escolhidos dados de três que participaram de outras etapas da pesquisa. Os registros realizados pelos alunos na etapa de observação da turma, na etapa diagnóstica e na etapa de intervenção didática, as anotações no caderno de campo e algumas gravações em áudio serviram como fontes de coleta de dados. Utilizamos as estratégias identificadas por Beishuizen (1997), Klein e Beishuizen (1998), Thompson (1999, 2000) e Lucangeli et al. (2003), como categorias de análise. Através da análise de dados, constatamos que as escolhas das estratégias de cálculo mental pelos alunos variaram de acordo com o tipo de sequência de cálculos, a operação aritmética (adição ou subtração) e o estado emocional deles durante a atividade. Foi possível identificar o uso de duas estratégias combinadas, o algoritmo mental e estratégias de contagens nos dedos para grande parte dos cálculos. O uso do algoritmo mental mostrou-se um procedimento de grande sobrecarga mental e, em alguns cálculos de adição sem reserva, serviu apenas como apoio à visualização numérica, sendo executado pelo aluno da esquerda para a direita, semelhantemente à estratégia de decomposição numérica. Os dados deste estudo apontam para: (i) a necessidade de se trabalhar fatos numéricos fundamentais de adição e subtração via cálculo mental de maneira sistemática em sala de aula; (ii) a necessidade de se ensinar estratégias autênticas de cálculo mental para que os alunos não se tornem dependentes de estratégias como contagens e algoritmo mental, que são mais difíceis de serem executadas com êxito; (iii) a importância de entrevistar, individualmente, os alunos a fim de compreender e avaliar o desenvolvimento destes em tarefas de cálculo mental.
The major objective of this research was to investigate strategies of mental calculation used byelementary school students in the fifth and sixth grade to solve addition and subtraction equations. For that purpose, we sought to answer the following questions: Which strategies of mental calculation do fifth and sixth-grade students use to solve addition and subtraction equations? What is the relationshipbetween the type of calculation and the strategy adopted for the solution? To answer these questions we followed a quantitative methodology configured as ethnographic case study. Our fieldwork was developed with a group of elementary students in the fifth and sixth gradeat a state public school in the city of Serra. The research recurred from May to December 2013. Eight students solved a diagnostic activity composed of four sequences of mental calculation: basic facts of numbers 5, 10, 20 and 100, among additions and subtractions close to these results.All the students also took part in the interviews.Out of eight students, we selected data of three students who took part in other stages of the research. As source to collect data,we used every record made by the students during group observation, diagnostic stage and didacticintervention stage, as well as notes from our fieldwork notebook and audio recording. We used the strategies identified by Beishuizen (1997), Klein and Beishuizen (1998), Thompson (1999, 2000) and Lucangeli et al (2003) as analysis categories. Through the data analysis, we verified that the students decided on a certain strategy of mental calculation according to the type of calculation sequence, the arithmetic operation (additionor subtraction) and their emotional condition during the activity. Two combined strategies were observed:the mental algorithm and strategies of finger counting for most of the calculations. The use of mental algorithm proved excess mental overload; with the student conducting it from the left to the righ – similarly to the strategy of numerical decomposition - for some cases of addition without carrying, the mental algorithm functioned only to support numerical display.Data in this study indicate: (i) teachers should be required to work sistematically with basic numerical facts for addition and subtraction via mental calculation during classes; (ii) teacher should be required to provide students with authentic strategies of mental calculation to make them not dependable on mental counting or algorithm – rarely successfully executed; (iii) it is important to interview each student in order to understand and assess their development in mental calculation tasks.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1148
Appears in Collections:PPGE - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao.DanielMoreira.pdf1.96 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons