Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1188
Title: O pátio jesuítico no Palácio Anchieta: narrativas tipomorfológicas e paisagísticas na cidade de Vitória (ES)
metadata.dc.creator: Dias, Fabiano Vieira
Issue Date: 2014
Abstract: A hipótese defendida nesta pesquisa se baseia na possibilidade de a arquitetura jesuítica implantada em terras brasileiras (século XVI) dialogar e agenciar, num mesmo corpo edificado, e de modo inter-relacionado, aspectos relativos à morfologia urbana, tipologia e paisagem. Lama explica que, como disciplina, a morfologia urbana agrega para si não somente o ambiente construído, mas os meios pelos quais este foi construído em sua interação com a forma urbana, ou seja, os “fenômenos sociais, econômicos e outros motores da urbanização” (LAMAS, 1992). Entender a forma urbana é entender seus elementos constituintes, “quer em ordem à leitura ou análise do espaço, quer em ordem à sua concepção ou produção” (LAMAS, 1992). Estudar a forma urbana significa compreender o lugar onde se insere a cidade e seus elementos constituintes, seus espaços e a inter-relação entre eles e seu contexto, em um espectro abrangente do que se denomina cidade, e urbano. A tipologia arquitetônica e a morfologia urbana estão interligadas no cerne de suas análises, considerando que ambas, segundo Pereira, estudam “duas ordens de fatos homogêneos” (PEREIRA, 2012); estudam elementos constituintes da cidade – arquitetônicos e espaciais – que se sobrepõem ou se complementam de acordo com a escala de análise utilizada. A arquitetura jesuítica do Brasil colonial modela de modo determinante a construção de distintos núcleos urbanos originários na costa brasileira no século XVI. Isso, por meio da implantação de tipologia edilícia que acompanha a doutrina jesuítica de localização e escolha do sítio para suas construções, preconizando segurança, visibilidade do entorno e facilidade de acesso por rios ou pelo mar. Essas construções, realizadas em áreas elevadas, marcaram, por conseguinte, no tempo e no espaço, a paisagem dos primeiros núcleos urbanos brasileiros. A pesquisa analisou um dos exemplares históricos da arquitetura jesuítica no Estado do Espírito Santo, especificamente na cidade de Vitória, capital e núcleo urbano original da colonização portuguesa neste Estado. A instalação dos jesuítas na antiga Vila da Vitória, no séc. XVI, através de sua igreja dedicada a São Tiago e de seu colégio anexo, marca a presença tipológica de uma arquitetura religiosa que influencia a própria morfologia da cidade – caracterizando esta arquitetura como um tipomorfológico - e, por reflexo, participa da construção de sua paisagem urbana secular. Entende-se que o antigo complexo jesuítico de São Tiago e atual Palácio Anchieta, sede governamental e prédio cultural capixaba, é uma arquitetura que permeia estas três grandes narrativas arquitetônicas e urbanas: a tipologia, a morfologia e a paisagem.
The hypothesis put forward in this research based on a possibility of Jesuit architecture, in particular, located in Brazilian territory (16th century), and brokering dialogue built on the same body, and interrelated mode, aspects of urban morphology, typology and landscape. Lamas explains that, as a discipline, urban morphology adds to itself not only the built environment, but the mode which it was built in its interaction with urban form, in other words, "social phenomena, economic and other engines of urbanization" (LAMAS, 1992). Understanding the urban form is to understand its elements, "both in read order or space analysis both in order for its conception or production" (LAMAS, 1992). Studying urban form means understanding the placement where it inserts the city and its constituent elements, its spaces and the interrelation between them and their context in a comprehensive spectrum of what is called the city and urban. The architectural typology and urban morphology are connected at the heart of their analyzes, both, according to Pereira, studying "two orders of homogeneous facts" (Pereira, 2012), studying the components of the city - architectural and spatial - that overlap or complement according to the scale of analysis used. The Jesuit colonial architecture models Brazil, in a decisive way, the construction of distinct urban cores originating in the Brazilian coast in the sixteenth century. This by deploying building typology accompanying the Jesuit doctrine of location and site selection for its buildings, recommending security, visibility and ease of access around rivers or the sea. These constructions carried out on elevated areas marked in time and space the landscape of the first Brazilian urban core. This research discusses one of the examples of Jesuit architecture in the State of Espírito Santo, situated in the city of Vitória, capital and original urban core of Portuguese colonization in this region. The installation of the Jesuits missionary order in the former Village of Vitória in the sixteenth century, through its church dedicated to São Tiago and the school annex, indicates the presence of a religious Lusitanian architecture, typology which influenced the configuration of the of the city's morphology - featuring this architecture as a morphological-type - and therefore conditioned building it's secular urban landscape It is understood that the former complex of São Tiago, current Anchieta Palace, seat of government and a Capixaba cultural building may have its architecture recognized through historical and theoretical approach articulated by three major narratives: the typology, morphology and landscape of colonial genesis of places; so participants in the urban spatial organization in Brazil since Portuguese colonization of America and a constituent part of the historiography on the technique of Luso-Brazilian religious building in the State of Espírito Santo.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1188
Appears in Collections:PPGAU - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação Fabio Vieira Dias O pátio jesuítico no Palácio Anchieta.pdf19.97 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons