Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1465
Title: A negação no português falado em Vitória/ES
metadata.dc.creator: Nascimento, Cristiana Aparecida Reimann do
Issue Date: 27-May-2015
Abstract: Todas as línguas possuem algum recurso para expressar a negação verbal, porém cada uma apresenta estratégias próprias para sua realização. No português brasileiro (PB), há três estratégias de negação: 1) pré-verbal (Não+SV); 2) dupla negação (Não+SV+Não) e 3) pós-verbal (SV+Não). À luz da Sociolinguística Variacionista e com base na amostra PortVix (Português Falado na Cidade de Vitória), que tem por parâmetros sociais o gênero/sexo do falante, sua faixa etária e seu nível de escolaridade, o presente trabalho analisa a variação no uso das estruturas de negação no português falado na cidade de Vitória/ES, a fim de situar, a partir desse fenômeno, a variedade capixaba no cenário do PB. Também toma por base a proposta de Schwenter (2005) de que as três variantes se alternam apenas quando o conteúdo negado é ativado no discurso. Sendo assim, se a proposição negada apresentar um estatuto de uma informação nova, apenas a negação pré-verbal pode ser empregada. Desse modo, em nossa pesquisa, buscamos entender quais fatores influenciam a alternância das formas de negação e verificar os contextos linguístico-discursivos que comportam essa variação. Ao confrontarmos nossos resultados com os de outras pesquisas, observamos que a dupla negação é bastante produtiva na fala capixaba, representando 21,1% de um total de 2263 dados. Ao realizarmos rodadas em que foram amalgamadas duas variantes e contrapostas a uma outra, foram selecionados pelo programa Goldvarb X (SANKOFF; TAGLIAMONTE; SMITH, 2005) e, portanto, considerados estatisticamente relevantes para a dupla negação, os seguintes fatores: as sequências dialogais, a ausência de reforço negativo, a ausência de marcadores conversacionais e as orações absolutas. Para a negação pós-verbal, foram selecionadas as seguintes variáveis: as proposições negadas diretamente ativadas e as sequências dialogais. Para a negação pré-verbal, os fatores estatisticamente relevantes foram: as sequências narrativas e as argumentativas, a presença de reforço negativo, a presença de marcadores conversacionais, as orações principais e o gênero masculino. Os resultados revelaram que a variação no uso das estruturas negativas é um fenômeno marcadamente discursivo, mas também com atuação de alguns fatores sintáticos.
All languages have some way to express verbal denial, but each one has its own strategies for their achievement. In Brazilian Portuguese (BP), there are three strategies of denial: 1) preverbal (No+SV); 2) double denial (No+SV+No) and 3) postverbal (SV+No). In light of Variationist Sociolinguistics and based on the sample PortVix (Portuguese spoken in the City of Vitoria), which has as social parameters gender/sex of the speaker, their age and their level of education, this study examines the variation in the use of structures of denial in Portuguese spoken in the city of Vitoria/ES, in order to place, from this phenomenon, capixaba variety in Brazilian Portuguese. This study is also based upon the proposal of Schwenter (2005) that the three variants alternate only when denied content is activated in speech. Thus, if the proposition denied conveys a status of new information, just preverbal negation can be employed. Thereby, in our research, we seek to understand what factors influence the alternation of forms of denial and verify the linguistic-discursive contexts that bring this variation. When we compared our results with those of other studies, we found that double denial is quite productive in capixaba speech, representing 21.1 % of a total of 2263 data. When performing rounds in which two variants were amalgamated and opposed to one another, were selected by the program Goldvarb X (SANKOFF, TAGLIAMONTE and SMITH, 2005) and, therefore, considered statistically relevant to the double denial the following variables: the dialogical sequences, the absence of negative reinforcement, the absence of conversational markers and complete sentences. For postverbal negation, the following variables were selected: denied propositions directly activated and dialogical sequences. For pre-verbal negation, the statistically significant factors were: narrative and argumentative sequences, the presence of negative reinforcement, the presence of conversational markers, main clauses and male gender. The results revealed that the variation in the use of negative structures is essentially a discursive phenomenon, but this variation is also influenced by some syntactic factors.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1465
Appears in Collections:PPGEL - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
A negação no português falado em Vitória-ES.pdfTexto completo1.22 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons