Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1549
Title: Alinhavando saberes e práticas, tecendo possíveis : o trabalho em rede na assistência social
metadata.dc.creator: Araujo, Vivianni Barcellos de
Keywords: Sistema Único de Assistência Social (Brasil);Trabalho;Assistência Social;Poder (Ciências Sociais);Coletivos
Issue Date: 2015
Abstract: Como tecelãs de uma renda de bilro, investigamos o trabalhar na rede de serviços da assistência social no intento evidenciar as diversas linhas que compõem esse plano laboral. Propomos um trabalho de pesquisa-intervenção, realizando registros em diário de bordo, habitando espaços de acolhimento institucional para crianças e adolescentes do Município de Vitória, buscando explorar experiências produzidas no trabalho dos técnicos e educadores sociais, e na realização de rodas de conversas junto àqueles que vivem ou viveram a realidade do trabalhar na rede de assistência social, o que chamamos de coletivos-ciranda. Nossos encontros visaram à palavra encarnada na experiência, possibilitando a emergência de afetos, de agenciamentos e de recognição do vivido. Começamos nosso rendado com o que chamamos de FIO TRABALHO: ao conhecermos o trabalho dos profissionais que compõem a rede de serviços da assistência social, nos foi possível analisar as relações que se atualizam no cotidiano de tais serviços. Em nosso percurso de pesquisa, percebemos que muitos avanços foram conquistados e que a construção de uma política efetivamente “pública” é feita coletivamente, nas vilosidades que compõem a rede. Desse modo, trouxemos como outro fio, o FIO REDE SUAS, alinhavando e problematizando a implementação do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), suas trajetórias e tecnologias sociais operacionalizadas na rede cotidianamente. Analisando os processos inventivos dos trabalhadores, acreditamos que a criação de coletivos de trabalho possibilite um aumento de potência de vida dos trabalhadores, dos usuários e da própria rede de assistência, pensada como uma “rede quente”, ou seja, gestada na dimensão sensível dos afetos e da alteridade, onde efetivamente fazemos o público.
As weavers of bobbin lace, we have investigated the work in the network of social services in an attempt to highlight the various lines that form this labor plan. We intended a research-intervention study, making records in the Field Diary, dwelling institutional sheltering spaces for children and adolescents in the city of Vitória, aiming to explore experiences produced in the work of technical and social educators, and conducting conversation circles with those who live or have lived the reality of working in the network of social assistance, what we called collectivessieves. Our meetings aimed to the incarnate word on experience, allowing the emergence of affects, assemblages and recognition of the lived. We started our lace with what we called WIRE WORK: knowing the work of professionals that form the network of social assistance services, we were able to analyze the relationships that have been updated in daily life of such services. In our journey of research, we realized that many advances have been achieved and that the construction of a truly "public" policy is made collectively, in the villus that set up the network. Thus, we brought as another wire the WIRE SUAS NETWORK, tacking and questioning the implementation of the Sistema Único de Assistência Social (SUAS), their trajectories and social technologies operationalized every day. Analyzing the inventive processes of workers, we believe that the creation of work collectives can enable an increase of power of the workers and users’ life and the network of social assistance itself, thought of as a "hot network", that is, gestated in the sensitive dimension of affections and otherness, which effectively make the public.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1549
Appears in Collections:PPGPSI - Dissertações de mestrado



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons