Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1621
Title: Evolução do Strongyloides venezuelensis em camundongos submetidos ao etilismo agudo
metadata.dc.creator: Maia, Caroline Ohnesorge
Keywords: Strongyloides;Abuso de Álcool;Alcoolismo
Issue Date: 2015
Abstract: A prevalência de Strongyloides stercoralis em alcoolistas crônicos é maior do que em não alcoolistas. Como os mecanismos envolvidos nesta maior prevalência não estão esclarecidos, planejamos verificar o efeito da intoxicação etílica na evolução do S. venezuelensis em camundongos, modelo considerado semelhante ao S. stercoralis. Foram utilizados dois modelos de intoxicação etílica: (a) um episódio de etilismo agudo (7mg/g peso corporal de etanol a 40%, por gavagem (grupo EA); (b) três episódios de etilismo agudo (5mg/g peso corporal a 40%) com intervalo de uma semana, em camundongos tratados com etanol a 15% na água de consumo nas três semanas e durante o período após a infecção (grupo EA/C). Camundongos suíços machos foram infectados uma hora após a gavagem do etanol, com 700 L3 de Strongyloides venezuelensis. A evolução da infecção foi acompanhada por: (a) contagem de ovos nas fezes diariamente até o seu completo desaparecimento; (b) contagem de larvas no pulmão 48 h após a infecção; (c) contagem de vermes adultos no intestino no 8º (grupo EA) ou 9º dia (grupo EA/C) após a infecção. Foi realizada a contagem global de leucócitos e de eosinófilos com intervalo de 4 dias a partir do segundo dia após a infecção. Os resultados mostraram: (1) nos dois grupos que receberam o etanol a contagem de ovos e o número de vermes recuperados do intestino foram maiores do que nos respectivos grupos controle; (2) no grupo EA o número de larvas recuperadas no pulmão foi maior do que no grupo controle, o que não foi observados no grupo EA/C; (3) não houve diferença significativa no comportamento dos leucócitos totais e dos eosinófilos, embora houvesse uma tendência de número menor no segundo dia após a infecção nos grupos tratados com etanol. Em conclusão, um episódio, ou três episódios com intervalo de uma semana de etilismo agudo em animais recebendo etanol a 15%, alterou a cinética da infecção de S. venezuelensis em camundongo, com aumento na eliminação de ovos e na recuperação de vermes adultos do intestino, sem diferenças relacionadas ao modelo da intoxicação etílica.
The prevalence of Strongyloides stercoralis in chronic alcoholics is greater than in non-alcoholics. As the mechanisms involved in this higher prevalence remain unclear, we plan to evaluate the effect of ethanol intoxication in the course of infection by S. venezuelensis in mice, the model considered similar to S. stercoralis. Two models of intoxication with ethanol were used: (a) an episode of acute alcoholism (7 mg/g body weight ethanol 40% by gavage (EA group), (b) three episodes of acute alcoholism (5 mg/g body weight 40%) at an interval of one week in mice treated with 15% ethanol (at water ad libitum), at three weeks and during the period after infection (EA/C group.) Male Swiss mice were infected with 700 L3 larvae of Strongyloides venezuelensis, one hour after gavage with ethanol. The course of the infection was accompanied by: (a) egg counts in the feces daily until complete disappearance (b) larvae counts in the lung 48 hours after infection, and (c) counting adult worms in the gut 8 (EA group) or 9 days (Group AE/C) after infection. It was held total leukocyte and eosinophil 4 days interval from the second day after infection. The results showed (1) in both groups that received ethanol, egg counts and the number of worms recovered from the intestine were higher than the respective control groups; (2) at EA group, the number of larvae recovered in the lung was higher than the control group, which was not observed in the EA/C group; (3) there was no significant difference in the behavior of total leukocytes and eosinophils, although there were fewer tendency on the second day after infection in the groups treated with ethanol. In conclusion, one episode, or three episodes with an interval of one week in acute alcohol administered in animals receiving 15% of ethanol, changed the kinetics of S. venezuelensis infection in mice, with an increase in the elimination of eggs and the recovery of adult worms of intestine, with no differences related to the model of an ethanol intoxication.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1621
Appears in Collections:PPGDI - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Evolução do Strongyloides venezuelensis em camundongos.pdf1.43 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons