Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1824
Title: O devir menor de Alice : linhas de escrita, linhas de vida. Sobre a aprendizagem da linguagem na educação infantil
metadata.dc.creator: Holzmeister, Ana Paula Patrocínio
Keywords: Learning;Language;Writing;Early Childhood Education
metadata.dc.subject.br-rjfgvb: Linguagem
Abstract: As linhas de escrita que conformam o Devir Menor de Alice constituem-se a partir da necessidade de investigar o devir-criança dos corpos aprendentes no processo de aprendizagem da linguagem como potência capaz de engendrar, na imanência dos encontros educativos, um currículo que funcione como plano de constituição de um estilo singular de inscrição de si e do mundo no âmbito da educação infantil. Impulsionado por forças que se desdobram em um campo problemático que orienta um percurso investigativo de caráter cartográfico, o estudo busca problematizar: Por quais processos o problema da escrita pode ordenar um movimento expressivo de aprendizagem da linguagem? Em torno dessa problemática, concebe três questões centrais: (1) De que modo as práticas diferenciais de linguagem traçadas no movimento imanente do currículo deslocam de modo positivo o processo de aprendizagem da linguagem na educação infantil? (2) Do que trata concretamente o conceito de linguagem no movimento expressivo e de aprendizagem afetiva? (3) Por que é relevante abordar o movimento expressivo de aprendizagem da linguagem e por que fazer isso a partir do problema da escrita? Nesse processo investigativo, afirma que a aprendizagem da linguagem implica processos de subjetivação pelos quais a ideia do delírio, do sonho, do sonambulismo de Alice traz para a leitura e a escrita a necessária relação com a tradução: uma leitura que, ao invés de ler o real, o traduz com as forças intensivas do mundo, produzindo afecções nos corpos envolvidos (o leitor, o escritor, o texto, o próprio entorno) e fazendo variar sua potência; uma leitura que envolve as artistagens tradutórias de um agenciamento coletivo de enunciação pelo traçado de linhas de escrita e de vida; uma escrita como invenção: inscrição singular de um si-mundo; traçado desejante de criação. Pretende, portanto, defender que a aprendizagem da linguagem acontece como atividade expressiva quando há composição de um bloco de devir-aprendente por meio da criação de um estilo. Para tanto, recorre a algumas ferramentas conceituais produzidas por Gilles Deleuze (1925-1995) e Félix Guattari (1930-1992), Gilbert Simondon (1924-1989), Baruck Spinoza (1632-1677), Suely Rolnik (2006), Sandra Corazza (2013), Virginia Kastrup (1999) e Walter Kohan (2007), de modo a tentar intervir concretamente nas discussões em torno dos conceitos de aprendizagem, linguagem, tempo, signos, acontecimento, devir, escrita e estilo, seguindo pelo conceito de individuação e pelos movimentos de exploração intensiva dos meios cartografados nos encontros educativos estabelecidos em um Centro de Educação Infantil de Vitória.
The writing lines that conform the Alice's Minor Delirium constituted itself from the need to investigate the child-becoming of the learners bodies in the language learning processes as a power capable to produce - in the immanence of educational meetings - a curriculum that works as a constitution plan for a singular inscription style of the self and the world in the early childhood education context. Driven by forces that unfold itself in a problematic field that guides an investigative course according to a cartographic style, the research raise the question: For which processes the writing problem may order an expressive language learning movement? Problem that conceived itself around three central questions: How the differentials language’s practices, drawn into the immanent movement of the curriculum, affects positively the language process learning in early childhood education? What is it the concept of language in expressive / affective learning? Why is it important to approach the expressive movement in the language learning? Why do this from the writing problem? The work argued that language learning involves processes of subjectivation, where the idea of delirium, dream and Alice's sleepwalking brings reading and writing processes to a necessary relationship with the translation concept. A reading that, instead read literally the actual, translates it with world's intensive forces, producing affects in the bodies involved (the reader, the writer, the text, the environment itself), making his power vary. Reading mode that involves an artistic translation performance of a collective assemblage of enunciation traced by lines of writing and life. Writing as invention: a self-world singular description, a desiring act of creation. Therefore, the work intend to defend that language learning happens as an expressive activity when a becoming-learner block composes and unfold itself in the creation of a style. To this end, it resort to some conceptual tools produced by Gilles Deleuze (1925-1995) and Félix Guattari (1930- 1992), Gilbert Simondon (1924-1989), Baruck Spinoza (1632-1677), SuelyRolnik (2006), Sandra Corazza (2013), Virginia Kastrup (1999) and Walter Kohan (2007), Sammy Lopes (2011). The work try to intervene specifically in the discussions around the concepts of Expressive Learning, Microcurriculum, Learner Body, language, Virtual time, Signs regimes, Happening, Desire becoming, Writing and Style. Following the concept of individuation it promote an intensive movements exploitation of resources cartographed in an educational meetings established with an Early Childhood Education Center in Vitória, ES, Brazil.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1824
Appears in Collections:PPGE - Teses de doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_7249_Ana Paula - tese revisada.pdf2.81 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons