Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1826
Title: Condições de nascimento e amamentação e saúde cardiovascular de crianças de 9 e 10 anos
metadata.dc.creator: Batista, Milena Santos
Keywords: Rigidez arterial;Obesidade;Low birth weight;Prematurity;Arterial Stiffness;Breastfeeding;Hypertension;Obesity
metadata.dc.subject.br-rjfgvb: Crianças
Abstract: Há evidências de que fatores de risco para ocorrência de Doenças Crônicas não Transmissíveis têm início silencioso em etapas precoces do desenvolvimento. Essa questão foi suscitada a partir de estudos que relacionaram o peso ao nascer com o desenvolvimento de doenças na vida adulta, cuja hipótese se baseia na ideia de que o feto seria programado intra-útero, principalmente por fatores nutricionais que influenciariam no metabolismo e na fisiologia do indivíduo por toda a vida. O objetivo deste estudo foi investigar a saúde cardiovascular de crianças de 9 a 10 anos e sua relação com as condições de nascimento (baixo peso ao nascer e prematuridade) e de amamentação. Foram avaliadas 231 crianças, de ambos os sexos, matriculadas em escolas públicas e privadas do município de Vitória/ES. As crianças compareceram em jejum, acompanhadas de seus responsáveis, no Centro de Investigação Cardiovascular da UFES para realização de exames antropométricos, laboratoriais e hemodinâmicos (pressão arterial e velocidade de onda de pulso carótida-femoral - VOP). No dia da visita, as crianças e seus responsáveis responderam a um questionário sobre questões de saúde atuais e pregressas. O teste Kolmogorov-Smirnov foi utilizado para testar a normalidade das variáveis contínuas e depois realizados os testes t de Student para amostras independentes ou Mann Whitney. O teste do qui-quadrado (X2) foi utilizado para avaliar a distribuição das variáveis categóricas. Variáveis hemodinâmicas, categorizadas em tercis, foram analisadas utilizando ANOVA a uma via, seguida do teste de Tukey para avaliação entre grupos. Variáveis contínuas foram correlacionadas utilizando teste de Pearson ou de Spearman. Aplicou-se a análise de regressão linear múltipla para identificar a contribuição parcial e total dos fatores na determinação dos valores de VOP e de pressão arterial. O nível de significância estabelecido para todos os testes foi de =0,05. Observou-se maior frequência de meninos nas classes socioeconômicas A+B (61%) e na condição de sobrepeso (meninas= 38%, meninos= 51%, p=0,05). O baixo peso ao nascer foi mais frequente entre meninas (meninas=18%, meninos=7%, p=0,01). Crianças do sexo masculino apresentaram maiores médias de PAS (p=0,05), VOP (p=0,03) e peso ao nascer (p<0,01), quando comparados às meninas. A PAS foi maior entre as crianças nascidas com peso igual ou superior a 2500g. Não foi encontrada diferença estatística das médias de PAD e VOP e peso ao nascer. A prematuridade e amamentação também não foram associadas aos níveis pressóricos e à rigidez arterial. O IMC apresentou associação positiva e significativa com PAS, PAD e VOP. A análise de regressão linear indicou que 44% do aumento da PAS nas crianças avaliadas são explicados pelo IMC. Para a PAD as variáveis que se mantiveram no modelo foram o IMC e VOP, explicando 38% nas alterações de PAD. Os fatores que explicaram as alterações na VOP foram IMC e PAD (r=0,29; p<0,01). Conclui-se que a hipótese de programação fetal e infantil não foi comprovada neste estudo e que apenas o IMC foi associado ao aumento da PAS, da PAD e da VOP, após ajuste por sexo.
There are evidences that risk factors for the occurrence of Chronic Non-Communicable diseases begin silently in early stages of development. This question was raised from studies related to birth weight in the development of diseases in adulthood, whose hypothesis is based on the idea that the fetus would be programmed in utero, mainly nutritional factors that influence the metabolism and physiology the individual throughout life. The objective of this research was investigate the cardiovascular health of children 9-10 years and their relation to perinatal conditions (low birth weight and prematurity) and breastfeeding. We evaluated 231 children of both sexes enrolled in public and private schools of the city of Vitória / ES. The children attended fasting, were accompanied by their guardians to the Cardiovascular Research Center of UFES for exams anthropometric, laboratory and hemodynamic (blood pressure and pulse wave velocity carotid-femoral). On the day of the visit, children and their parents completed a questionnaire on health issues, and were instructed to collect the urine of 12 hours night. The Kolmogorov-Smirnov test was used to test the normality of continuous variables and then performed the Student t test for independent samples or Mann Whitney. The chi-square (X2) was used to assess the distribution of categorical variables. Hemodynamic variables, categorized into tertiles were analyzed using ANOVA to a route followed by the Tukey test to evaluate between groups. Continuous variables were correlated using Pearson or Spearman. We applied the multiple linear regression analysis to identify the contribution partial and total factor in determining values of PWV and blood pressure. The significance level for all tests was set at α = 0.05. There was a higher frequency in boys socioeconomic classes A + B (61%) and overweight status (girls = 38%, boys = 51%, p = 0.05). The low birth weight was more common among girls (girls = 18%, boys = 7%, p = 0.01). Male children had higher mean SBP (p = 0.05), PWV (p = 0.03) and birth weight (p <0.01) when compared to girls. SBP was higher among infants born weighing less than 2500g. There was no statistical difference of mean DBP and PWV and birth weight. Preterm birth and breastfeeding were not associated with blood pressure and arterial stiffness. BMI showed significant positive association with increased SBP, DBP and PWV. Linear regression analysis indicated that 44% of the increase of SBP in children evaluated are explained by BMI. For DBP the variables that remained in the model were BMI and PWV changes in explaining 38% of PAD. Factors that explained the changes in PWV were BMI and DBP (0.29, p <0.01). We conclude that the hypothesis of fetal programming and child was not proven in this study and that only BMI was associated with increased SBP, DBP and PWV after adjustment for sex.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1826
Appears in Collections:PPGASC - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_6422_2011_Milena Batista Santos.pdf4.4 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons