Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2341
Title: Por uma genealogia em que a Educação Ambiental é potência na formação dos membros de comitês de bacias hidrográficas
metadata.dc.creator: RABELO, D. L.
Keywords: Comitê de Bacia Hidrográfica;Formação;Genealogia
Issue Date: 18-Nov-2011
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: RABELO, D. L., Por uma genealogia em que a Educação Ambiental é potência na formação dos membros de comitês de bacias hidrográficas
Abstract: Cabe aos comitês de bacias hidrográficas, conforme disposto nas Políticas Nacional e Estadual de Recursos Hídricos, a gestão dos recursos hídricos na área de abrangência da bacia. Para tanto, a Lei definiu também os principais instrumentos necessários à materialização dessa gestão, a saber: os planos de recursos hídricos, o enquadramento, a cobrança, a outorga e o sistema de informações. Formado por igual número de representantes dos segmentos da sociedade civil organizada, poder executivo e usuários, o comitê é eleito para um mandato que pode variar de dois a quatro anos no estado do Espírito Santo, e atua num ambiente de grande complexidade, uma vez que os instrumentos não estão consolidados. O comitê, enquanto uma comunidade necessita de que saberes para dar conta dessa gestão? Que saberes seus membros trazem para esse espaço de gestão compartilhada e participativa? A pesquisa realizada com o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Guandu, por meio da participação na dinâmica do comitê, de uma conversa com seus membros e da análise documental, procurou a composição de um mapa, em que a cartografia considera o devir e o tempo presente, num platô de pura imanência. A partir de uma compreensão do conhecimento como genealogia, conforme proposto por Foucault, se sugere o acoplamento dos conhecimentos eruditos e das memórias locais, acoplamento que permite a constituição de um saber de lutas e a utilização desse saber nas táticas atuais. Desta forma, a Educação Ambiental é potência para a formação desse parlamento das águas, uma vez que defende a valorização dos saberes locais, descontínuos, desqualificados, não legitimados, como saberes tão legítimos e em construção quanto o saber científico, conforme aponta Tristão.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2341
Appears in Collections:PPGE - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_6397_DENISE LIMA RABELO.pdf6.07 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.