Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2436
Title: CARTOGRAFANDO Movimentos Curriculares Produzidos nas redes de Conversações nos Encontrosformações do proeja/ifes/es
metadata.dc.creator: MOREIRA, P. S.
Keywords: movimentos curriculares;encontros-formação docente;Proeja
Issue Date: 26-Sep-2014
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: MOREIRA, P. S., CARTOGRAFANDO Movimentos Curriculares Produzidos nas redes de Conversações nos Encontrosformações do proeja/ifes/es
Abstract: Problematiza a constituição do currículo (e da formação docente no campo curricular), no cotidiano escolar, na dimensão das conversações. Objetiva acompanhar os movimentos curriculares concernentes ao Proeja entre formas e forças complexas no cotidiano do Ifes campus Venda Nova do Imigrante (VNI). Compõe com as linhas de pensamentos principalmente de Alves (2008, 2010, 2012); Carvalho (2004, 2008a, 2008b, 2009, 2012); Deleuze (1988, 2002, 2010); Deleuze e Guattari (1995); Ferraço (2007, 2008a, 2008b); Garcia (2011); Guattari (1987, 2004, 2012); Kastrup (2009, 2013); Lopes e Macedo (2011); Lopes (2010, 2011); Oliveira (2005, 2009, 2012); Paiva (2004, 2009); Rolnik (1989); e Spinoza (2013), entremeando os conceitos de movimentos e afetos no campo do currículo em redes na relação híbrida com os encontros-formações docente do/no Proeja. Adota a (não) metodologia cartográfica ao acompanhar movimentos curriculares (des)(re)territorializantes nas redes de conversações, especialmente nos encontrosformações: Rodas de conversas com professores e demais servidores do Proeja. Utiliza como principais instrumentos metodológicos a observação participante, a gravação das vozes e o registro em diário de campo. Contribui para outros movimentos de pesquisa ao capturarproduzir e analisar dados em que se percebe que: ainda que tenha ocorrido um planejamento coletivo, outras temáticas surgiram nos encontrosformações (que não se pretendiam engessados e não objetivavam a paralisação dos fluxos que pedem passagem), e tais assuntos puderam ser usados como disparadores para criação de outros movimentos curriculares; as concepções dos professores sobre a dificuldade/facilidade em ministrar aulas para o Proeja e os lugares estabelecidos entre estudantes e docentes no processo ensino-aprendizagem não estão relacionados diretamente, em relação de causa e efeito, à disciplina/área de conhecimento específica que ministram, mas aos agenciamentos, aos ligamentos e às rupturas produzidas nas relações com essas redes de saberesfazerespoderes que envolvem múltiplos agentes: docentes, outros servidores, alunos, experiências e encontros múltiplos dentrofora no espaçotempo do Ifes; uma tríade-refrão coopera para a criação de uma fôrma triangular que enfatiza a noção de um padrão em um processo molar enraizado nas árvores do conhecimento: perfil, seleção e nivelamento, contudo, algumas linhas de fuga dissonantes são criadas por entre as fissuras dos pretensos tons harmônicos; as frases os professores do IF não estão preparados para ministrar aulas para o Proeja ou não há formação/qualificação para os docentes se relacionarem com o Proeja são utilizadas, em alguns discursos, como escudos-argumentos para a opção-política de não oferta de vagas para a modalidade EJA em composição com fios que afirmam tal especificidade da educação básica, dentro da rede federal, como um favor social; processos que envolvem a (des)organização da matriz curricular são considerados por alguns participantes como início, produto e objetivo das conversas curriculares e provocam tensões que (i)mobilizam, (não) movimentam entre os afetos dos corpos, podendo levar à (não) ação coletiva; a noção de mercado de trabalho ainda impera nos discursos, ciclicamente, enquanto iníciofim das problematizações do currículo do Ensino Médio e da EJA; a expressão integração curricular é constantemente usada nos discursos que circulam o campus, no entanto, os sentidos produzidos, as concepções e as teorias curriculares que embasam a noção de integração no currículo são bem diversos; não há totalidades nos discursos, não há homogeneização, não foi efetivada nenhuma coesão/única voz representante (e esse também não era o objetivo desta pesquisa); ainda que o tema da roda se propusesse às conversas curriculares do/no Proeja, nesses encontros, os participantes manifestaram a necessidade de intensificar os movimentos produzidos nas rodas visando à discussão dos currículostextos de todos os cursos e modalidades ofertados pelos campus VNI e na intensificação de espaços para trocas de experiências curriculares cotidianas; na potencialização das diferenças como possibilidades de inventividade nos encontros-formações docente e nas danças curriculares que envolvem diversas relações de aprendizagem no Ifes, algumas experimentações foram produzidas, entre afetos, criando composições (des)(re)territorializantes e ressonando com movimentos que não se restringiram às rodas de conversas, contudo, enredaram-se em fios de outros espaçostempos do campus em tentativas de propagações de currículosmultidão.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2436
Appears in Collections:PPGE - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_8082_PDF - Dissertação Entrega para PPGEUFES20141209-192625.pdf1.47 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.