Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2835
Title: Estratégias e Táticas Cotidianas: Um Estudo sobre os Sentidos das Práticas Sociais e suas Influências no Fazer Estratégia de uma Barraca em Feiras-Livres
metadata.dc.creator: Peixoto, Daniel Lanna
Keywords: estratégia como prática social;fazer feira;atores sociais
Issue Date: 28-Jun-2011
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Abstract: A palavra estratégia tem ganhado espaço em escritos acadêmicos, discursos e consultorias. Apesar da intensificação do uso da palavra, ainda há uma lacuna entre o discurso sobre a estratégia e o que é realizado pelas pessoas na prática em relação aos direcionamentos tomados pelas organizações. Isso suscita questionamentos sobre o que é estratégia e como ela surge nas organizações. Nesse ínterim, discute-se também a possibilidade de a pesquisa em estratégia organizacional tomar direcionamentos epistemológicos diferentes daqueles apregoados pelo Modernismo (WHITTINGTON, 2004). Esses direcionamentos de pesquisa incluem a perspectiva da estratégia como prática social, em que a estratégia não é algo pertencente à organização, mas aquilo que as pessoas fazem no desempenho de suas atividades. Isso inclui não somente os membros da cúpula organizacional, mas também todos aqueles que, diretamente e indiretamente, se relacionam com as organizações. Ao ser considerada como uma prática social, a estratégia deixa de ser reconhecida somente como algo formal, racional e hierárquico. Em consonância com isso, abre-se a possibilidade de investigar o fenômeno da estratégia em organizações em outros contextos, a qual inclui ambientes onde a informalidade dita o desenvolvimento das atividades organizacionais. Nesse sentido, almejando revelar como as pessoas participam da construção das estratégias organizacionais em ambiente informal por meio dos conceitos de estratégia cotidiana e de tática cotidiana discutidas por Certeau (2007), realizou-se um estudo de caso com uma barraca que participa de três feiras-livres no município de Vitória-ES. Para a concretização da investigação, foram realizadas observações participantes e entrevistas informais, centradas na forma pela qual os atores sociais agem e interagem entre si e com isso moldam os fazer feira. A análise do diário de campo, decorrente das observações e entrevistas, evidenciou 15 temas com os quais as ações desenvolvidas pelos sujeitos de pesquisa estão relacionadas. Observados esses temas e a correlação entre eles, algumas considerações puderam ser feitas, entre as quais uma versa sobre os vários sentidos de uma prática podendo estar centrada na estratégia ou na tática cotidianas. Ademais, mostrou-se como o sentido de uma prática se altera à medida que os atores e circunstâncias também se alteram. Por fim, verificou-se o posicionamento do proprietário da barraca como alguém que deseja não apenas ser o único a pensar a estratégia da barraca, mas também executar compartilhadamente os trabalhos que dão delineamentos à estratégia. Aos demais que trabalham na barraca ele atribui apenas a execução do trabalho, na tentativa de efetivar a separação entre aqueles que pensam a estratégia e os que a executam. No entanto, os dados empíricos mostraram que corpo e mente estão interligados, mesmo diante de uma força que tenta movê-los em sentido contrário. Essa força desempenhada por um dos feirantes que pensa e executa, quer tornar os demais feirantes diferentes e privados de trabalhar com a mente.
The word strategy has gained ground in academic writings, speeches and consulting. Despite the increased use of the word there is still a gap between talking about strategy and what people really acomplish in practice relating to directions taken by the organizations. This rises questions about what strategy is and how it arises in organizations. Meanwhile, there is also the possibility of the organizational strategy research take different espitemological directions from the ones announced by modernism (WHITTINGTON, 2004). This research directions include the perspective of strategy as social practice in a way that it is not something which belongs to the organization but something people do at performing their activities. This includes not only members of the organizational summit but also those who are related to the organization in a direct or indirect way. The strategy, being considered as a social practice, is not reconized only by something formal, rational or hierarchical. In line with this, it opens the possibility os investigating the phenomenon of strategy in organizations in other contexts, which includes environments where informality dictatesthe development of organizational activities. In this sense, aiming to reveal how people participate in the construction of organizational strategies in an informal setting, using the concepts of strategy and everyday tactics discussed by Certeau (2007), a case study of a stall which participate in three street fairs took place in Vitória – ES. In implementing the research, participant observation and informal interviews were performed, focusing on ways in which social actors act and interact with it and shape the "make trade fair". The analysis of field notes, derived from observations and interviews revealed 15 themes with which the actions developed by the research subjects are related. After observing these issues and the correlation between them, some considerations could be made, and one is versed on the many ways that a practice may have, and can be focused on strategy or tactics everyday. Moreover, it showed as the sense of a practice changes as the actors and circumstances also change. Finally, it was veryfied the positioning of the stall owner as someone who not only wants to be alone in thinking the strategy of the stall, but also the one who executes, sharing the work that designs the strategy. To other workers in the stall he attributes only realizing their work trying to effect the separation between those who think on that strategy and who execute it. However, empirical evidence showed that body and mind are interconnected, even when facing a force trying to move them to the contrary. This force, exercised by one of the stallholders who thinks and performs, want to make the others different merchants and private them to work with their mind. Key-words: strategy as social practice; "make trade fair"; social actors.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2835
Appears in Collections:PPGADM - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_4077_.pdf589.53 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.