Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2881
Title: Problematizando Experiências de Vítimas de Violências: Indagações e Análises
metadata.dc.creator: MANSUR, T. S.
Issue Date: 27-Aug-2009
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: MANSUR, T. S., Problematizando Experiências de Vítimas de Violências: Indagações e Análises
Abstract: Título Problematizando experiências de vítimas de violência: indagações e análises. Autor Thiago Sandrini Mansur RESUMO Em geral, as reflexões sobre as pessoas que sofrem algum tipo de violência foram, por muito tempo, negligenciadas pelas sociedades em todo o mundo. Isso se torna ainda mais enfático no que diz respeito aos segmentos menos favorecidos da sociedade, sobretudo com relação àqueles que estão confinados em estabelecimentos de internação. No Brasil, este cenário foi se modificando lentamente ao longo do século XX, ganhando novos contornos por meio das experiências dos movimentos de defesa dos direitos humanos, sobretudo, a partir do período de contestação à ditadura militar. Num período mais recente de nossa história, o surgimento de centros de apoio às vítimas de violência pode ser considerado como uma maneira de colocar em análise as diversas formas de manifestação da violência, embora tais estabelecimentos não sejam os únicos, nem os primeiros a fazer isso. Os centros de apoio se tornaram locais não somente para que as vítimas de violência recebessem atendimento, mas, sobretudo, para que se incitasse a luta pela responsabilização de seus algozes e a criação de novos paradigmas para uma cultura de paz e não-violência. Tendo em vista este cenário, objetivou-se problematizar as experiências de pessoas que foram atingidas pela violência, residentes na Região Metropolitana da Grande Vitória e que buscaram apoio em um desses centros de atendimento. Problematizar uma experiência significa se perguntar como um conjunto de práticas discursivas e não discursivas que antes era aceito em uma sociedade sem questionamentos e tido como familiar e natural se torna um motivo de preocupação, incitando discussões, polemizando debates, suscitando mudanças de comportamento e instigando novos hábitos. Para alcançar tal propósito, foram realizadas atividades em grupo, nas quais se problematizou as experiências de mães que tiveram seus filhos violentados por agentes do Estado, quando em cumprimento de medida sócio-educativa de privação de liberdade. Também foram feitas entrevistas de restituição nas quais as mães puderam avaliar as experiências em grupo, bem como discutir os resultados e as conclusões da pesquisa. O objetivo dessas atividades foi compreender que práticas discursivas e não-discursivas sobre (e de) vítimas de violência se atualizam através de falas, ações, sentimentos e pensamentos. A que supostas verdades remetem? Que relações de saber-poder fazem funcionar? Como a experiência de estar em grupo coloca em questão certos modos de ser das vítimas? Em primeiro lugar, evidenciou-se que as pessoas participantes da pesquisa eram, em sua grande maioria, pobres, afro-descendentes, moradores de periferia e com baixa escolaridade, justamente o perfil típico das pessoas atingidas pela violência. Os resultados e as discussões levaram à conclusão de que muitas das pessoas atingidas pela violência, bem como seus familiares, embora sob esse forte impacto, apostaram e ainda apostam em afirmar a vida, ao invés de se colocarem no lugar de resignação, que muitas vezes é destinado às vítimas. Percebeu-se que conhecer e compartilhar as experiências dessas pessoas pode contribuir para a discussão acadêmica do problema e para a transformação de alguns dos efeitos deletérios da violência. Atualmente, quando falamos em vítimas de violência, imediatamente nos surgem imagens de indivíduos passivos e inertes que padecem na dor pelo resto de suas vidas. Tais imagens estão atreladas a uma visão intimista da realidade (SENNET, 1998), na qual se pensam as experiências como vivências individuais e particulares de cada um. Sendo assim, aquilo que uma pessoa vive diria respeito apenas a ela mesma e a mais ninguém. A existência dos centros de apoio às vítimas de violência delimita a constituição de espaços em que essas experiências podem ser problematizadas em suas verdades instituídas. Entendemos que problematizar uma experiência é evidenciar seu caráter de produção histórica e social. Isto significa dizer que aquilo que denominamos vítima de violência apresenta-se como uma forma circunstancial e provisória, ou seja, não-natural. Palavras-chave: Violência; Vítima; Experiência.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2881
Appears in Collections:PPGPSI - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_3771_THIAGO.pdf423.27 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.