Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2889
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorBarros, Maria Elizabeth Barros de-
dc.creatorPacheco, Ariele Binoti-
dc.date.accessioned2016-08-29T14:09:43Z-
dc.date.available2016-07-11-
dc.date.available2016-08-29T14:09:43Z-
dc.date.issued2010-08-30-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/2889-
dc.description.abstractEste estudo afirma uma postura ético-política marcada pelo protagonismo dos trabalhadores na realização de intervenções e ainda pela interlocução de diferentes saberes (acadêmico/científico e os provenientes da experiência) como estratégia para transformar-compreender o trabalho de homens e mulheres do setor do mármore e do granito no interior do Estado do Espírito Santo. Nessa direção, busca, nas ferramentas teórico-metodológicas da Clínica da Atividade, instrumentos que possibilitem dar visibilidade às cores e ritmos que esses trabalhadores engendram em seus fazeres diários para reinventar continuamente sua relação com o trabalho e ainda possibilitar que outras relações mais potentes, que desvios na forma de estratégias inventivas possam ser (re)criados nesse movimento por meio da ampliação da sua capacidade de ação. Com vistas a esse objetivo, propõe a experimentação de um dispositivo que se constitua como um instrumento para a ação dos próprios trabalhadores, denominado oficina de fotos, uma modulação do método da autoconfrontação cruzada proposto pela Clínica da Atividade, em que os trabalhadores produzem fotos de situações do ambiente e processo de trabalho que são confrontadas e analisadas pelos outros trabalhadores. Na oficina, as atividades que se efetivam de fato nas situações de trabalho puderam se analisadas bem como os caminhos que não foram seguidos, as atividades impedidas, inibidas, o que possibilitou que novas maneiras de fazer fossem pactuadas, ampliando o leque de ações, desenvolvendo a atividade. Ao protagonizar ações que visam à análise das atividades de trabalho, os trabalhadores puderam vislumbrar a força que juntos possuem para transformar situações penosas nos ambientes de trabalho, criando novos modos de fazer, inventando maneiras de enfrentar essas situações a partir da ampliação de seu poder de agir.por
dc.format.mediumtexten
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.rightsopenAccess-
dc.subjectTrabalhadores-
dc.subjectFotografias-
dc.subjectMármore-
dc.subjectGranito-
dc.titleHomens e mulheres do mármore e do granito : entre cores e ritmospor
dc.typemasterThesisen
dcterms.subjectTrabalho - Análise-
dc.contributor.referee1Silva, Cláudia Osório da-
dc.contributor.referee1Aragão, Elizabeth Maria Andrade-
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Psicologia Institucionalpor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.subject.cnpqPsicologia-
dc.publisher.courseMestrado em Psicologia Institucionalpor
Appears in Collections:PPGPSI - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_4779_.pdf2.42 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.