Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2981
Title: Maridos Dominadores, Esposas (in)subordinadas: As implicações do Empoderamento Feminino e da Masculinidade hegemônica na Violência Conjugal
metadata.dc.creator: CORTEZ, M. B.
Issue Date: 30-Aug-2006
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: CORTEZ, M. B., Maridos Dominadores, Esposas (in)subordinadas: As implicações do Empoderamento Feminino e da Masculinidade hegemônica na Violência Conjugal
Abstract: Este estudo investigou o modo como concepções e práticas de gênero atuam na manifestação de conflitos conjugais que resultam em violência física, psicológica ou sexual do marido contra sua companheira. Foram entrevistados individualmente quatro casais, que tinham registro policial de ocorrência de agressão física do marido contra sua parceira e histórico de violência conjugal, utilizando-se um instrumento com duas partes: a primeira recolheu dados sócio-demográficos dos entrevistados e a segunda, composta por um roteiro de entrevista, investigou as concepções dos participantes sobre homem, mulher e relacionamento conjugal. Os dados foram organizados através da utilização do software Alceste (Analyse Lexicale par Contexte dum Ensemble de Segments de Texte) e da Análise de Conteúdo. Os resultados demonstraram a concordância entre os cônjuges em dois pontos relevantes: a) concepções tradicionais de gênero que guiam as práticas domésticas e também o relacionamento do casal e, b) compreensão de que as ocorrências de violência são decorrentes da busca dos maridos pelo controle dos comportamentos das esposas, entendidos por eles como errados ou inadequados. Esses comportamentos têm em comum o fato de ameaçarem o padrão hegemônico de masculinidade e negarem, de algum modo, a concepção tradicional e naturalizada de mulher, como o acesso ao ambiente público por meio do trabalho assalariado. As esposas detalharam o contexto dos episódios de violência, os tipos de agressões (física, psicológica e/ou sexual) e seus prejuízos físicos e emocionais. Já os homens negaram a ocorrência de violência sexual e minimizaram as agressões físicas e suas conseqüências, descrevendo as brigas como eventos com poucas ou efêmeras implicações para a esposa e seu relacionamento. Os resultados foram discutidos com base em dois conceitos principais, masculinidade hegemônica e empoderamento feminino, ressaltando-se a reação violenta dos maridos entrevistados frente aos sinais de autonomia de suas esposas e questões relativas ao prejuízo masculino e feminino ocasionado pela exclusão do homem das discussões sobre o empoderamento feminino. Palavras chave: gênero; masculinidade; violência conjugal; empoderamento feminino.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2981
Appears in Collections:PPGP - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_2190_Cortez, M.B 2006 (2) (1)20150715-94957.pdf1.25 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.