Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3114
Title: Teoria das trocas sociais : um estudo em crianças com Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH)
metadata.dc.creator: Bastos, Caroline Benezath Rodrigues
Keywords: Distúrbio da falta de atenção com hiperatividade;Crianças com distúrbio do déficit de atenção;Trocas sociais;Crianças
Issue Date: 27-Mar-2015
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Abstract: Esta pesquisa investigou, em uma perspectiva psicogenética, aspectos das trocas sociais de 14 crianças do sexo feminino diagnosticadas com Transtorno de Déficit de Atenção / Hiperatividade (TDAH), sendo sete com idades entre 7 e 8 anos e sete com idades entre 10 e 11 anos, que são atendidas no Ambulatório de Pediatria do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes. Os dados foram coletados por meio de dois instrumentos. O primeiro consistiu na leitura de duas pranchas, contendo, em cada uma, um recorte de uma história em quadrinhos infantil que apresenta situações de trocas sociais entre os personagens, seguida de uma entrevista com base no Método Clínico Piagetiano. O segundo foi a Prova Piagetiana de Conservação de Substância, que visou averiguar se a criança possui a capacidade de reversibilidade lógica, que, segundo Piaget, é necessária para que as trocas sociais sejam equilibradas. Os procedimentos foram gravados em áudio e vídeo e as informações coletadas foram posteriormente inseridas em protocolos. Os dados foram analisados de forma qualitativa, a partir de categorias pré-elaboradas baseadas nos conceitos piagetianos investigados. Os resultados apontaram que, independentemente da idade, a maioria das trocas sociais estabelecidas foram equilibradas. Entretanto, foi observada prevalência de trocas que indicam uma reciprocidade espontânea e não-normativa, característica do estádio de desenvolvimento anterior (pré-operatório) ao que as participantes deveriam estar (operatório-concreto). Em relação às trocas sociais desequilibradas, observou-se que, em quase todas, houve uma intensificação do sentimento de dívida exibido pelas participantes para com as pessoas com as quais elas interagem socialmente. Também foi observada contradição entre o que as participantes acham que o outro deveria fazer do que o que elas próprias fariam, de forma que quando falam diretamente de si, há, em geral, uma mudança de opinião em direção àquilo que é socialmente aceito. Além disso, a grande maioria das participantes, de ambas as faixas etárias, ainda não possuem a noção de reversibilidade lógica. Porém, à medida que as crianças aumentam de idade, foi observada uma evolução em direção à aquisição desta noção. Em suma, os resultados permitiram concluir que a maioria das participantes apresentaram trocas sociais equilibradas sem possuir a capacidade de reversibilidade lógica, e permitiram ainda hipotetizar que indivíduos que possuem a capacidade de reversibilidade lógica são necessariamente capazes de exprimir trocas sociais equilibradas, mas podem não manifestá-las em todas as situações. Palavras-chave: Trocas Sociais. TDAH. Criança. Reversibilidade. Noção de Conservação.
This research investigated, in a psychogenetic perspective, the aspects of social exchange from 14 female children diagnosed with Attention Deficit Hyperactivity Disorder (ADHD), seven children aged between 7 and 8 years and seven aged between 10 and 11 years, which are treated at Pediatric Clinic of University Hospital Cassiano Antônio Moraes. Data were collected through two instruments. The first consisted in reading two boards, containing each one a cutout of a comic story for children that presents situations of social exchanges between the characters, followed by an interview based on Piaget’s Clinical Method. The second instrument was the Piagetian Proof of Conservation of Substance, which aimed to find out if the child has the ability to logical reversibility, which, according to Piaget, is required for social exchanges balanced. The procedures were recorded on audio and video and the information collected was later inserted into protocols. Data were analyzed qualitatively, from pre-prepared categories based on Piaget’s concepts. The results revealed that, regardless of age, most of the established social exchanges were balanced. However, it was observed prevalence of exchanges that indicate spontaneous and non-normative reciprocity, typical of the previous developmental stage (preoperational) at that the participants should be (concrete operational). Regarding the unbalanced social exchanges, it was observed that, in almost all, there was an increased of debt feelings displayed by the participants to the people with whom they interact socially. It was also observed contradiction between what the participants think that other should do and what they themselves would do, so that when they speak directly about themselves, there is, generally, a change of opinion towards what is socially accepted. Moreover, the great majority of participants in both age groups do not have yet the notion of logical reversibility. However, inasmuch as the children grow old, it was observed an evolution towards the acquiring this notion. In short, the results revealed that most of participants showed balanced social exchanges without having the ability to logical reversibility, and allow hypothesize that individuals with the ability to logical reversibility are necessarily able to express social balanced exchanges, but not necessarily manifest them in all situations.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3114
Appears in Collections:PPGP - Dissertações de mestrado



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.