Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3171
Title: A representação do espaço na "Odisseia":definindo isotopias, heterotopias e utopias na Grécia antiga (séc. X-VIII a.c.)
metadata.dc.creator: GABRECHT, A. P.
Keywords: Odisseia;Homero;Espaço;
Issue Date: 18-Aug-2014
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: GABRECHT, A. P., A representação do espaço na "Odisseia":definindo isotopias, heterotopias e utopias na Grécia antiga (séc. X-VIII a.c.)
Abstract: A Idade do Ferro antiga (XII-VIII a.C.), na Grécia continental, configurou-se como um momento em que as comunidades estão saindo de um processo de isolamento. Após a destruição dos palácios micênicos uma série de eventos simultâneos ocorridos na virada do século XIII para o XII a.C., o mundo grego mergulha num período de aproximadamente quatro séculos entre o XII e o VIII a.C. , em que ocorre uma acentuada redução da produção material e do crescimento demográfico. Nesse momento, há também o desaparecimento dos registros escritos, o que dificulta em muito a compreensão sobre o que se passou no decurso desses séculos. Junto com a análise de elementos da Cultura Material, o pesquisador interessado nesse período da História da Grécia pode lançar mão também das duas epopeias tradicionalmente atribuídas a Homero: a Ilíada e a Odisseia. Transmitidas oralmente por uma longa cadeia de aedos e fixadas por escrito por volta dos séculos VII e VI a.C. elas transmitem importantes informações sobre as sociedades que viveram na Grécia de várias temporalidades. Estamos cientes de que as obras atribuídas a Homero são textos poéticos, todavia, acreditamos que a Literatura pode ser um importante instrumento para o historiador, uma vez que consideramos que os gêneros literários estão intimamente relacionados às condições históricas que as produziram. Sendo assim, para esta pesquisa, optamos por utilizar a Odisseia como fonte de análise por consideramos que seja posterior à Ilíada e, portanto, mais representativa dos acontecimentos da fase final da Idade do Ferro antiga. Nos referimos, em especial, aos processos de formação de novos assentamentos gregos fora da Grécia Continental, sobretudo na Península Itálica, que representaram, a nosso ver, uma reconfiguração nas formas de entender os espaços. Acreditamos que, a partir da análise de trechos da Odisseia, é possível entender os processos de formação de identidades e alteridades no mundo grego, em especial no século VIII a.C., período em que nos concentramos em nosso estudo, pois representaria um momento de grandes transformações para os gregos. Nesta pesquisa, buscamos associar os espaços descritos por Homero aos conceitos de isotopia, utopia e heterotopia provenientes do quadro teórico desenvolvido por Henri Lefebre para assim captar como se define a identidade grega.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3171
Appears in Collections:PPGL - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_8078_Ana Penha Gabrecht.pdf2.82 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.