Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3275
Title: Ficcionalização e autoficcionalização em alguma parte alguma : do processo maquínico de construção e desconstrução de si na poesia de Ferreira Gullar
metadata.dc.creator: Tavares, Felipe de Almeida
Keywords: Gullar, Ferreira, 1930- – Crítica e interpretação;Autoria;Literatura brasileira – História e crítica
Issue Date: 24-Jan-2014
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Abstract: O objetivo do trabalho é desenvolver o conceito de autoficcionalização do sujeito na poesia de Ferreira Gullar. Uma vez que tal conceito não fora encontrado em nenhum texto da bibliografia estudada nos apoiaremos nos princípios de Gilles Deleuze acerca dos corpóreos e incorpóreos e seu devir puro. Partindo da ideia de que a palavra autoficcionalização é um deverbal, ou seja, um substantivo que surge a partir de um verbo ficcionalizar torna-se possível entender que, enquanto fenômeno verbal proveniente do ato de escrever, o sujeito criado através da autoficcionalização será mero efeito de superfície, ou seja, um efeito possibilitado pela linguagem, mais especificamente, pela ação verbal presente no ato de escrever. Dessa forma, bastaria ao autor escrever, utilizando-se da primeira pessoa, para que, consciente ou não, produzisse esse efeito de superfície que chamaremos autoficcionalização do sujeito, que difere de autoficção, pois, ao contrário dela, não pressupõe uma relação de causa e efeito e acontece independente da vontade do autor.
The purpose of this study is to develop the concept of autofictionalization of the subject in Ferreira Gullar’s poetry. Since this concept was not found in any text studied in the literature review, we hold our beliefs in Gilles Delleuze’s and Felix Guattari’s principles about the corporeal and incorporeal, and their pure transformation. Starting from the idea that the phrase autofictionalization is deverbative, i.e. a noun that comes from a verb - fictionalize – it is possible to understand that, as a verbal phenomenon from the act of writing, the subject created through autofictionalization will merely have a surface effect, i.e. an effect made possible by language, more specifically, by the verbal action present in the act of writing. Thus, an author would only need writing in first person, so that, consciously or not, this effect would be produced. Our understanding of autofictionalization – the surface effects – differs from the idea of autofiction, since, unlike the latter, it does not imply a cause and effect relationship and takes place regardless the author’s will
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3275
Appears in Collections:PPGL - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_7419_Autoficcionalizacao.pdf704.3 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.