Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3567
Title: A Produção Imobiliária Capixaba Panorama Atual
metadata.dc.creator: FERREIRA, S. L.
Issue Date: 14-Sep-2010
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: FERREIRA, S. L., A Produção Imobiliária Capixaba Panorama Atual
Abstract: A fase atual do capitalismo, independente da forma como é denominada (acumulação flexível, acumulação patrimonial, acumulação sob dominância financeira, capitalismo tardio, etc.), tem como elemento central a finança dotada do grande poder de submeter os setores produtivos à sua lógica de rentabilidade. Não foi diferente com a produção imobiliária. A abertura de capital e nos demais instrumentos financeiros (FII, securitização de recebíveis, títulos, certificados, etc.) são formas de superar, via mercado, o entrave do financiamento da produção. E para os investidores investir em imóveis é um negócio rentável e seguro. A articulação da produção imobiliária com o capital financeiro é recente no Brasil. Datam da década de 90 as leis que regulam a criação dos fundos de investimento imobiliários (FII) e a securitização de recebíveis imobiliários. E só após o ano 2000 incorporadoras optaram por fazer suas IPOs. Como suspeitou-se desde o início deste trabalho, a relação do mercado imobiliário capixaba com o capital financeiro ocorre através da atuação de incorporadoras listadas na Bovespa. Fato que não deve ser subestimado. Elas chegaram ao Espírito Santo a partir de 2007 e vieram para cá no processo de expansão geográfica impulsionado pela necessidade de responder à exigência de rentabilidade do capital financeiro. Trouxeram um aporte de capital que possibilitou a introdução de uma série de inovações que eram inviáveis para as empresas locais. Através de parcerias ou atuando sozinhas influíram em mudanças que se manifestaram no produto, na publicidade e promoção dos empreendimentos, na comercialização, no mercado de terras, na área de atuação do mercado imobiliário, e no processo de repartição dos ganhos gerados no setor. A atuação dessas empresas trouxe algo estranho para a produção imobiliária capixaba. Uma outra lógica. Quando se fala de incorporadoras fala-se de empresas cuja atividade objetiva a produção de um tipo especial de mercadoria: a moradia. A mercadoria moradia tem na terra uma condição de produção, o que significa que para produzir unidades habitacionais é necessário o terreno e este entra na composição da mercadoria, já que prédio e terreno são indissociáveis. Como a unidade produtiva (o canteiro) é a própria mercadoria em construção (o empreendimento), para que o processo de produção tenha continuidade é necessário um outro terreno. Dessa forma a produção de moradias não é apenas itinerante no espaço, mas é, sobretudo, produção e apropriação de espaço. Se essa produção obedece a lógica do capital financeiro, os motivos e interesses nela envolvidos nem sempre representam os anseios locais por uma cidade justa, acessível e democrática. O que equivale dizer que a produção do espaço capixaba pelo viés da construção serve, mais do que antes, a ampliação da valorização do capital investido na construção e não necessariamente às necessidades reais de reprodução da cidade. Palavras-chave: Construção. Mercado imobiliário. Capital financeiro. Produção do espaço. Cidade. Mudança.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3567
Appears in Collections:PPGGEO - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_4158_silma.pdf2.23 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.