Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3917
Title: Otimização e Desenvolvimento de Sistemas de Detecção de Microcistinas em Amostras de Águas.
metadata.dc.creator: ANTUNES, P. W. P.
Keywords: Microcistina;método qualitativo;CLAE;validação e monitor
Issue Date: 22-Apr-2013
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: ANTUNES, P. W. P., Otimização e Desenvolvimento de Sistemas de Detecção de Microcistinas em Amostras de Águas.
Abstract: O monitoramento realizado em amostras de águas superficiais da região metropolitana de Vitória, ES, demonstrou à presença de, pelo menos, uma variante de microcistina em 57% das amostras. Em 20% dessas amostras a concentração de microcistina foi superior a 1,0 μg/L, valor máximo permitido pela Legislação Brasileira, para águas de abastecimento público. Poucos laboratórios no estado do Espírito Santo apresentam infraestrutura para a análise de microcistinas e, além disso, os atuais métodos quantitativos são onerosos e demorados. Com o objetivo principal de desenvolver um sistema de detecção de microcistinas, neste estudo foi validado um método quantitativo por cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE) e desenvolvido um sistema qualitativo (P/A) para análise da cianotoxina. Na validação um método livre de acetonitrila demonstrou seletividade e linearidade para separar e quantificar diferentes variantes de microcistina (-RR, -YR, -LR e -LA). Níveis de recuperação entre 98,2 e a 106,1% demonstraram a precisão e os limites de detecção (entre 0,17 e 0,25 μg/L) e quantificação (entre 0,55 e 0,82 μg/L) atenderam aos limites nacionais e internacionais de potabilidade. O sistema qualitativo (P/A) desenvolvido mostrou-se de fácil execução, baixo custo e alta sensibilidade, permitindo a determinação visual direta da presença de microcistinas em concentrações acima de 0,80 μg/L, sem a necessidade de nenhum método de processamento, concentração ou limpeza da amostra. Comparado com métodos de tradicionais de detecção de microcistinas, ELISA e CLAE (HPLC), o sistema demonstrou taxas de confiabilidade de 82,4% e 88,2%. Palavras chaves: Microcistina, método qualitativo, CLAE, validação e monitoramento.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3917
Appears in Collections:PPGEA - Teses de doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_6736_Antunes, P.W.A. - Tese Doutorado Final.pdf4.52 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.