Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4326
Title: A Agroecologia nos Assentamentos de Reforma Agrária do Espírito Santo
metadata.dc.creator: SILVA, L. W. S. E.
Keywords: assentamentos rurais;MST;agroecologia;mediação;mediadore
Issue Date: 25-Mar-2013
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: SILVA, L. W. S. E., A Agroecologia nos Assentamentos de Reforma Agrária do Espírito Santo
Abstract: Foi observado nesta pesquisa a hegemonia nos assentamentos de reforma agrária do Espírito Santo do padrão de agricultura considerado convencional, alastrado pela lógica da modernização agrícola e representado no binômio agrotóxicos-adubos químicos, com o qual a maioria dos beneficiários identifica seus sistemas de produção agrícola. Nos assentamentos de algum modo vinculados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ou no campo de sua ação política, no geral, se apresenta a mesma configuração entre os diferentes padrões de produção predominante no contexto das áreas de reforma agrária, tomadas como um todo; incluindo o uso dos insumos químico-industriais difundidos pela revolução verde por cerca de 2/3 dos assentados, apesar da forte presença da crítica aquele padrão tecnológico presente no discurso político-ideológico das lideranças e militantes do MST. No entanto, foi constatada também a existência de um número significativo de assentados, não apenas vinculados ao MST, que desenvolvem e se identificam com sistemas de produção não convencionais ou agroecológicos. Foi observado ainda que o caráter geral dessas experiências é seu isolamento relativo. Na tentativa de melhor compreender o quadro descrito acima optou-se por analisar os caminhos e os descaminhos da incorporação e da difusão das experiências de agricultura alternativa ou agroecológicas nos assentamentos no campo de ação política do MST no ES, a partir da perspectiva da teoria da mediação social. Foram utilizados dados de pesquisas As observações e conclusões apresentadas neste trabalho foram desenvolvidas a partir de uma perspectiva essencialmente exploratória e multimetodológica, na tentativa de captar a complexidade e a riqueza dos processos sociais relacionados ao objeto proposto. Além da revisão parcial e orientada da produção científica pertinente ao tema, a pesquisa se valeu do trabalho de campo por meio do qual foram obtidos dados qualitativos e quantitativos junto a famílias assentadas, técnicos de assistência técnica e extensão rural (ATER) que trabalhavam nas áreas de assentamento, militantes do movimento social e agentes públicos, em particular daqueles vinculados ao INCRA. O trabalho teve como principal conclusão que os limites do esforço do MST para a incorporação da proposta agroecológica nos assentamento de reforma agrária são dados pela forma de mediação específica que define a atuação política do Movimento no campo brasileiro.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4326
Appears in Collections:PPGCSO - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_6437_.pdf1.58 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.