Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4561
Title: ESTUDO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE HANSENÍASE E DIABETES MELLITUS EM POPULAÇÃO HIPERENDÊMICA.
metadata.dc.creator: FERREIRA, L. M.
Keywords: Hanseníase;Diabetes Mellitus;Dermatologia;Epidemiologia
Issue Date: 30-Aug-2013
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: FERREIRA, L. M., ESTUDO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE HANSENÍASE E DIABETES MELLITUS EM POPULAÇÃO HIPERENDÊMICA.
Abstract: Introdução: Os municípios de Linhares e Sooretama, norte do estado do Espírito Santo (ES), estão contidos no cluster de hanseníase n° 4. A incidência da diabetes mellitus vem aumentando exponencialmente, o que pode impactar no desenvolvimento da micobacteriose. Objetivos: Geral: Estudar a associação entre hanseníase e diabetes mellitus. Secundários: 1) Descrever as variáveis clínico- epidemiológicas; 2) Comparar o grau de incapacidade entre pacientes com e sem diabetes mellitus. Metodologia: Estudo caso-controle onde os casos (indivíduos com hanseníase) foram submetidos à avaliação de nervos periféricos, baciloscopia de raspado intradérmico e biópsia com estudo histopatológico de lesão cutânea e casos e controles (pais e filhos de pacientes multibacilares) à avaliação dermatológica e exames de sangue para pesquisa de diabetes mellitus. A associação entre hanseníase e diabetes mellitus foi avaliada pelo OR, com p≤0,05 e IC 95%, teste qui-quadrado e regressão logística. A associação entre grau de incapacidade e diabetes mellitus foi avaliada pelo teste qui-quadrado. Resultados: Dentre os 78 casos, quanto ao sexo: 61,5% eram homens e dentre os 78 controles, 44,8%. A idade média dos casos foi de 44 anos e três meses e entre os controles, 33 anos. Cinco casos apresentaram a forma indeterminada, 26 a tuberculóide, 14 a dimorfa-tuberculóide, nove a dimorfa- dimorfa, 13 a dimorfa-virchowiana e 11 a virchowiana. Dez casos apresentavam reação e 26 grau de incapacidade I ou II. Catorze casos (17,9%) e um controle (1,28%) tinham diabetes mellitus (OR 16,84; IC 95% 2,15-131,58). O teste qui- quadrado com correção de Yates foi de 10,62 (p=0,001). Na regressão logística as variáveis diabetes mellitus, sexo e idade estavam associados à hanseníase de forma independente entre si. Grau de incapacidade I ou II esteve associada à diabetes mellitus, com teste qui-quadrado com correção de Yates de 5,75 (p=0,016). Conclusões: A diabetes mellitus foi estatisticamente associada à hanseníase. Os dados sobre: sexo, idade e grau de incapacidade foram compatíveis com a literatura. A freqüência da hanseníase indeterminada foi inferior e da dimorfa foi superior ao encontrado no ES em 2011 e a incapacidade física foi estatisticamente associada à diabetes mellitus.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4561
Appears in Collections:PPGDI - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_6728_Dissertação de Mestrado.pdf864.28 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.