Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5121
Title: Divergência Funcional em Características Reprodutivas, Morfológicas e Fisiológicas de Mabea Fistulifera ao Longo de um Gradiente de Altitude na Floresta Atlântica
metadata.dc.creator: PEREIRA, J. P.
Keywords: Ecofisiologia;oleaginosa;germinação;fotossíntese
Issue Date: 9-Oct-2015
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: PEREIRA, J. P., Divergência Funcional em Características Reprodutivas, Morfológicas e Fisiológicas de Mabea Fistulifera ao Longo de um Gradiente de Altitude na Floresta Atlântica
Abstract: Este trabalho objetivou estudar o desempenho ecofisiológico de matrizes de Mabea fistulifera em resposta as variações das condições ambientais e disponibilidade de recursos que ocorrem ao longo de um gradiente de altitude de 535 m (399 a 934 m). O estudo foi realizado em áreas de regeneração florestal de Floresta Atlântica, caracterizada pela fitofisionomia Floresta Estacional Semidecidual, na região do Caparaó-ES. A identificação e marcação das 29 matrizes ocorreu em outubro de 2013, juntamente com a coleta de material vegetal. As análises morfofisiológicas foram realizadas em março de 2014, após o período de máximo crescimento vegetativo. No final do período reprodutivo, frutos foram coletados para a determinação de características biométricas e desempenho germinativo. As matrizes apresentaram em média 5 frutos por cacho e frutos com massa seca de 1,7 g. As sementes apresentaram volume médio de 227,8 mm3 e massa seca de 83,3 mg. Com relação à partição de biomassa seca dos frutos, cerca de 85% estava particionada para o pericarpo e 15% particionada para as sementes. A germinação variou de 2 a 92%, enquanto que o índice de velocidade de germinação de 0,34 a 2,19. As características biométricas de frutos e sementes não foram associadas diretamente com a altitude de estabelecimento das matrizes. O desempenho germinativo (germinação e vigor) esteve estreitamente relacionado a proporção da biomassa seca do fruto particionada para as sementes e apresentou uma relação positiva com a variação da altitude. As características morfofisiológicas foram avaliadas e relacionadas com a altitude, disponibilidade de nutrientes no solo (fósforo disponível e soma de bases) e com fatores intrínsecos de cada planta matriz (índice de exposição da copa e diâmetro do caule). Entre as características avaliadas, a relação entre a área foliar e a área de xilema ativo de ramos (morfológica) e a condutância estomática (fisiológica), foram as que apresentaram maior variabilidade entre as matrizes. Regiões localizadas em maiores altitudes foram associadas com a diminuição da disponibilidade de nutrientes no solo e, matrizes que se estabeleciam nessas regiões, apresentaram maiores valores de área foliar específica e razão de área foliar. Matrizes de M. fistulifera apresenta plasticidade fenotípica em características morfofisiológicas em resposta à variação de altitude, associada com alterações na disponibilidade de água e nutrientes.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5121
Appears in Collections:PPGGM - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_8346_Dissertação Final Jessica Priscilla Pereira.pdf2.1 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.