Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5130
Title: O Papel da Galanina na Modulação da Ansiedade Experimental Mediada pela Matéria Cinzenta Periaquedutal Dorsal (mcpd) de Ratos
metadata.dc.creator: Soares, FRC
Issue Date: 18-Jul-2014
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: Soares, FRC, O Papel da Galanina na Modulação da Ansiedade Experimental Mediada pela Matéria Cinzenta Periaquedutal Dorsal (mcpd) de Ratos
Abstract: A galanina (GAL) é um peptídeo composto por 29 aminoácidos que está presente no SNC de inúmeros mamíferos, inclusive do homem. A distribuição da GAL e de seus receptores em estruturas envolvidas com o controle das emoções apontam para um possível papel modulatório desse neuropeptídeo sobre a ansiedade. A Matéria Cinzenta Periaquedutal Dorsal (MCPD) é considerada uma estrutura-chave para a expressão comportamental e autonômica do comportamento defensivo. Entretanto, o papel da GAL nessa estrutura ainda não foi estudado. A MCPD recebe projeções galaninérgicas de outras estruturas, mas não sintetiza o peptídeo em seus corpos celulares. Foram clonados 3 diferentes receptores para a GAL, GALR1 e GALR3, que aumentam o efluxo de K+, e GALR2, que aumenta a concentração intracelular de Ca++. Estudos de imunohistoquímica e hibridização in situ descreveram a presença do GALR1 e do GALR2 na MCPD, embora o GALR1 apareça em maior número. O objetivo do presente estudo foi investigar o envolvimento da GAL sobre a modulação da ansiedade experimental mediada pela MCPD de ratos. Para tanto, foi realizada cirurgia estereotáxica em ratos Wistar adultos para implantação unilateral de uma cânula-guia na MCPD (AP-lambda: 0 mm; L: 2,0 mm; e P: 4,0 mm, 15o), por onde as seguintes drogas foram administradas: GAL (0,1; 0,3; 1,0 e 3,0 nmoles/ 0,2μL), M617 - agonista seletivo GalR1 (0,3; 1,0 e 3,0 nmoles/ 0,2μL) e AR-M1896 agonista seletivo GalR2 (0,3; 1,0 e 3,0 nmoles/ 0,2μL). Passados 5-7 dias de recuperação, cada animal recebeu a injeção de droga e 20 min. após foi submetido aos testes do LCE, LTE e Vogel. Grupos independentes de animais (n= 5-12) foram usados em cada experimento. A GAL, e os ligantes seletivos M617 e AR-M1896, nas diferentes doses testadas, não alteraram de modo significativo os parâmetros porcentagem de entrada e porcentagem de tempo nos braços abertos (BAs) do LCE. Os resultados mostraram que o tratamento com a GAL (3,0 nmoles) prejudicou a Esquiva 2 de modo significativo, sem alterar a fuga. O tratamento agudo com a GAL não alterou a atividade locomotora verificada no Campo Aberto. E por fim, a GAL (1,0 e 3,0 nmoles) não apresentou diferença para o número de lambidas punidas no Teste do Conflito de Vogel em comparação ao grupo controle. Dessa forma, o efeito tipo-ansiolítico da GAL mediado pela MCPD parece depender do modelo experimental empregado e dos níveis de ansiedade gerados pelo mesmo.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5130
Appears in Collections:PPGBF - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_6884_Dissert. flávia.pdf1.5 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.