Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5131
Title: Neuroproteção Mediada Pelo Fator Estimulador de Colônias de Granulócitos (g-csf) em Modelo de Isquemia Cerebral Global de Camundongos
metadata.dc.creator: Peruch, BR
Issue Date: 26-Feb-2015
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: Peruch, BR, Neuroproteção Mediada Pelo Fator Estimulador de Colônias de Granulócitos (g-csf) em Modelo de Isquemia Cerebral Global de Camundongos
Abstract: O acidente vascular encefálico (AVE) é classicamente caracterizado como um déficit neurológico atribuído a uma lesão focal aguda do sistema nervoso central (SNC), por causa vascular, sendo uma das principais causas de invalidez e morte mundial. De todos os casos, 87% são de origem isquêmica. Os principais fatores de risco associados são idade, raça, aterosclerose, hiperlipidemia, tabagismo e outros. Até a presente data a terapia medicamentosa aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e pelo Food and Drug Administration (FDA) para o tratamento do AVE isquêmico agudo é a utilização da classe dos agentes trombolíticos ativadores da fibrinólise. Várias citocinas parecem desempenhar um papel na neurogênese e/ou regeneração neuronal. Recentemente, estudos demonstraram que o fator estimulador de colônias de granulócitos (G-CSF) possui efeitos neuroprotetores em camundongos submetidos à isquemia cerebral, porém seus efeitos frente ao aumento do estresse oxidativo e à hipercolesterolemia/aterosclerose, uma das principais causas de AVE, ainda é desconhecido e foi o objeto deste estudo. Métodos. Foram utilizados camundongos knockout para a apolipoproteína E (ApoE-/-) e C57BL/6 machos, adultos jovens, com idade variando entre 12-14 semanas e pesando em média 28 g divididos em três grupos: controle ApoE-/-, tratado G-CSF ApoE-/- e controle C57BL/6. Todos os animais foram submetidos a oclusão das artérias carótidas comuns direita (temporária) e esquerda (permanente) seguida de administração de solução glicosada 5% (controles) e G-CSF 100μg/kg/dia (tratado) logo após e 24h depois da cirurgia. No terceiro dia após a oclusão os animais foram sacrificados e foi obtido o peso úmido do baço, coletada amostra de sangue e extraído o cérebro. As comparações estatísticas foram realizadas por teste t de Student e ANOVA de 1 via, seguida do post hoc de Fisher. Resultados e Discussão. A contagem de leucócitos circulantes no grupo G-CSF ApoE-/- apresentou-se estatisticamente superior (6661±1059 céls/mm3) quando comparado ao grupo controle ApoE-/- (4044±610 céls/mm3) e ao grupo controle C57BL/6 (3965±409 céls/mm3) evidenciando o efeito sistêmico do G-CSF no recrutamento e maturação de granulócitos sanguíneos. Na dosagem do colesterol total plasmático o G-CSF não reverteu a hipercolesterolemia dos animais ApoE-/-. A área macroscópica de infarto cerebral foi significativamente menor no grupo ApoE-/- tratado com G-CSF (0,03±0,01 cm2) quando comparado com o grupo ApoE-/- controle (0,18±0,03 cm2). Observou-se ainda diferença significativa quando comparamos a área de infarto do grupo controle C57BL/6 (0,08±0,02 cm2) com o grupo controle ApoE-/-. A força muscular, medida através do teste do agarre (grip force), estava significativamente diminuída nos animais controle ApoE-/- 48h pós-cirurgia quando comparados aos controles pré-cirúrgicos (de 97,9±9,8g para 70,69±10,62g), enquanto que no grupo G-CSF ApoE-/- a força registrada antes da cirurgia foi preservada no pós-cirúrgico. No ensaio para o estresse oxidativo plasmático o tratamento com G-CSF não alterou os parâmetros nos grupos ApoE-/- (controle = 23,76 ± 3,36 vs G-CSF = 23,0 ± 3,20 μMC-T/mg) que estavam estatisticamente aumentados quando comparados ao grupo controle C57BL/6 (3,97 ±1,22 μMC-T/mg). O teste do TUNEL (TdT-mediated-dUtp Nick End Labeling), para evidenciar a morte celular tecidual mostrou relação de células positivas/negativas menor no grupo tratado ApoE-/- quando comparado ao grupo controle ApoE-/-. A imunomarcação de neurônios e receptores de G-CSF mostrou estimulo a sobrevivência neuronal e maior presença de receptores no grupo tratado quando comparado ao controle. Conclusão. Nossos achados estão de acordo com a literatura e contribuem para evidenciar o efeito neuroprotetor do G-CSF, fortemente ligado a propriedade antiapoptótica, em modelo de isquemia cerebral global mesmo na presença do principal fator de risco para o AVE, a aterosclerose/hipercolesterolemia, e do aumento do estresse oxidativo.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5131
Appears in Collections:PPGBF - Dissertações de Mestrado



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.