Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5177
Title: Propagação in vitro e ex vitro, aspectos anatômicos e fisiológicos de Neoregelia concentrica (Bromeliaceae).
metadata.dc.creator: MARTINS, J. P. R.
Issue Date: 16-Feb-2012
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: MARTINS, J. P. R., Propagação in vitro e ex vitro, aspectos anatômicos e fisiológicos de Neoregelia concentrica (Bromeliaceae).
Abstract: As bromélias possuem valorização comercial, oferecendo contribuições significativas no setor econômico agrário. Porém os métodos propagativos convencionais não são capazes de suprir a demanda do mercado crescente. A cultura de tecidos pode contribuir na multiplicação de plantas ornamentais, produzindo mudas em larga escala e com qualidade comprovada. Contudo, órgãos vegetativos de plantas desenvolvidas in vitro podem apresentar estruturas e tecidos pouco desenvolvidos que podem prejudicar o posterior estabelecimento ex vitro. Assim, objetivou-se avaliar o efeito de fitorreguladores na propagação in vitro e na morfofisiologia de Neoregelia concentrica, uma bromélia nativa da Mata Atlântica com potencial ornamental. O primeiro experimento, referente à multiplicação, foi conduzido a partir de plantas de N. concentrica previamente estabelecidas in vitro e com 180 dias de idade. Essas foram inoculadas em tubos de ensaio contendo meio de cultivo autoclavado suplementado com 6-benzilaminopurina ou cinetina, em 4 concentrações que variaram de 0 a 15,0 µM L-1. Aos 60 dias foram realizadas análises fitotécnicas e a coleta aleatória de 3 plantas de cada tratamento para análise morfofisiológica. No segundo experimento, referente ao enraizamento in vitro e ex vitro, brotos de N. concentrica foram induzidos em meio de cultivo com 15,0 µM L-1 de 6-benzilaminopurina por 80 dias, seguido de subcultivo em meio isento de fitorreguladores por 45 dias. Na rizogênese in vitro, os brotos foram individualizados e cultivados por 60 dias em meio suplementado com ácido-indol-3-butírico ou ácido-naftaleno-acético em 5 concentrações que variaram de 0 a 4,0 µM L-1. Para rizogênese ex vitro, brotos de N. concentrica foram individualizados e as bases imersas em solução de ácido-indol-3-butírico ou ácido-naftaleno-acético em 4 concentrações (entre 0 e 15,0 µM L-1). Após 60 minutos de imersão, os brotos foram plantados em bandejas plásticas contendo vermiculita e cultivados por 45 dias. Ao final de cada método de rizogênese, foi realizada a análise dos parâmetros fitotécnicos. No experimento de multiplicação, verificaram-se diferenças significativas em função dos tratamentos para todos os parâmetros fitotécnicos e morfofisiológicos analisados. O aumento da concentração induziu maior porcentagem de explantes com emissão de brotos e número médio de brotos, sendo o emprego de 6-benzilaminopurina com as maiores médias em relação à cinetina. O aumento da concentração de citocininas empregadas no meio de cultivo também induziu maior espessamento dos tecidos foliares internos, tendo 6-benzilaminopurina com valores superiores à cinetina. No segundo experimento, observou-se na rizogênese in vitro maior enraizamento inicial (30 dias) e maior número de raízes nos brotos cultivados em meio com 3,0 µM L-1 de ácido-naftaleno-acético, já na rizogênese ex vitro, observou-se os melhores resultados, dentre eles, número e comprimento médio das raízes, quando aplicado 5,0 μM L-1 de ácido-indol-3-butírico na base dos brotos. O emprego de 15,0 μM L-1 de 6-benzilaminopurina é promissor na multiplicação in vitro e no desenvolvimento dos tecidos foliares de N. concentrica. O empregado de 3,0 µM L-1 de ácido-naftaleno-acético no meio de cultivo foi eficiente na rizogênese in vitro. Para rizogênese ex vitro, recomenda-se a aplicação de 5,0 µM L-1 de ácido-indol-3-butírico na base das brotações de N. concentrica.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5177
Appears in Collections:PPGAT - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_5358_João Paulo.pdf1.8 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.