Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5428
Title: "Os Fatores Ambientais que Influenciam na Ocorrência da Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) no Estado do ES"
metadata.dc.creator: NASCIMENTO, G. S. S.
Keywords: Leishmaniose tegumentar Americana;Fatores ambientais;
Issue Date: 30-Jun-2009
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: NASCIMENTO, G. S. S., "Os Fatores Ambientais que Influenciam na Ocorrência da Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) no Estado do ES"
Abstract: A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma doença parasitária, de evolução crônica, que acomete a pele e as mucosas do nariz, boca, faringe e laringe e tem, como agentes etiológicos, protozoários do gênero Leishmania. A moléstia está amplamente disseminada pelo mundo, sendo influenciada por fatores geográficos e climáticos que determinam a distribuição dos diferentes vetores, parasitas e hospedeiros. No Brasil, a doença ocorre em todos os estados, com grandes variações nas taxas de incidências, tanto entre os estados, como também entre os municípios que os representam. No estado do Espírito Santo (ES), a LTA apresenta ampla distribuição geográfica, com focos em quase todos os municípios da região centro-sul do estado, predominando na faixa de 50 a 750m acima do nível do mar. Este estudo se propõe a estabelecer associação entre fatores ambientais e a ocorrência de LTA no ES, utilizando bancos de dados georreferenciados, operacionalizados por meio de técnicas de geoprocessamento. Foram utilizados 1087 registros de pacientes com a doença, diagnosticados no ambulatório de Leishmanioses do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes, no período de 1978 a 2006. As unidades espaciais de análise foram representadas por 2.829 localidades, distribuídas nos 78 municípios do ES. A partir das bases cartográficas dessas localidades, construiuse um mapa representativo de suas respectivas áreas. Sobre esse mapa, os casos de LTA foram georreferenciados, segundo os centróides das áreas que os contém, utilizando como ferramenta operacional o Sistema de Informação Geográfica (SIG) ArcGIS versão 9.2. As variáveis ambientais temperatura, relevo e suficiência de água foram utilizadas para determinar áreas propícias à ocorrência da LTA. A conjunção dessas três variáveis forma o primeiro nível hierárquico das Unidades Naturais do Espírito Santo (UNES) e está disponível em um único mapa operacionalizado em SIG que foi obtido a partir do Sistema Integrado de Bases Georreferenciadas do Estado do Espírito Santo. A sobreposição dos mapas das localidades com o mapa das UNES, permitiu a classificação de 21 tipos de localidades, segundo as interações dos fatores das variáveis ambientais. Desses, 15 tipos foram selecionados para análise estatística possibilitando a definição de áreas categorizadas em dois grupos, quais sejam: sem risco e com risco para ocorrência de LTA. A escala de trabalho e os instrumentos utilizados neste estudo mostraram-se úteis na definição das áreas de risco para transmissão da LTA no ES, permitindo, inclusive, prever a ocorrência da doença em áreas propícias, ainda sem registro de casos.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5428
Appears in Collections:PPGASC - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_3611_.pdf4.96 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.