Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5437
Title: Associação Entre Estado Nutricional e Reação Hansênica - um Coorte em Portadores de Hanseníase dos Municípios da Grande Vitória (es)
metadata.dc.creator: MONTENEGRO, R. M. N.
Keywords: hanseníase;avaliação nutricional;estudo sócio-demográfico;
Issue Date: 5-Jul-2010
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: MONTENEGRO, R. M. N., Associação Entre Estado Nutricional e Reação Hansênica - um Coorte em Portadores de Hanseníase dos Municípios da Grande Vitória (es)
Abstract: hanseníase permanece como um problema de saúde pública no Brasil e no mundo. Suas complicações, conhecidas como reações hansênicas, são manifestações inflamatórias agudas que ocorrem durante o curso crônico da doença podendo levar a deformidades permanentes. É importante identificar os fatores de risco envolvidos, de modo a acompanhar os pacientes mais propensos evitando as sequelas. Objetivos: Delinear o perfil nutricional dos pacientes portadores da hanseníase; e relacionar a associação entre o estado nutricional e o aparecimento da reação hansênica com amostras de 152 e 141 pacientes, respectivamente. Metodologia: Foi realizado um estudo longitudinal de janeiro a dezembro de 2009 de uma coorte de portadores de hanseníase acompanhados por no mínimo até seis meses do início do tratamento poliquimioterápico ou até o aparecimento da reação hansênica. Os dados foram coletados nas Unidades de Saúde da Grande Vitória. Foram coletados dados sócio-demográficos, antropométricos, bioquímicos e de alimentação à partir de um questionário de freqüência alimentar (QFA) validado e adaptado. Foi calculado o Índice de Massa Corporal (IMC) para avaliação do estado nutricional. Resultados: O estudo mostrou que: 79 (52%) dos participantes eram do sexo feminino, a média de idade foi de 40,4 anos (± 16,9); 81 (53,3%) possuíam vínculo empregatício; a média de anos de estudo foi de 7,1 (± 4,5). Em relação à doença, 79 (52%) eram multibacilares e 73 (48%) paucibacilares. O índice baciloscópico foi negativo em 125 (82,2%) pacientes. O excesso de peso foi identificado em 11,8% e 5,3% apresentaram baixo peso. O arroz e o feijão foram os alimentos relatados com maior freqüência de consumo, 87,3% e 88,7% respectivamente. A reação hansênica ocorreu em maior freqüência na forma dimorfa (17 pacientes,47,2%) e virchoviana (8 pacientes, 8,3%) (p=0,0023), em relação à associação do estado nutricional e o aparecimento da reação hansênica, quando utilizamos a classificação do índice de massa corpórea (IMC), a reação ocorre em 18(50%) (p=0,3836) nos pacientes eutróficos. Considerando a medida da circunferência do braço (CB), a reação hansênica aparece também em maior frequência entre os eutróficos, 26 pacientes (72,2%);p=0,1679. Na medida da dobra cutânea triciptal, a categoria sobrepeso e obesidade representam 19 pacientes (52,8%) das reações hansênicas (p= 0,0906) e na utilização da medida da circunferência muscular do braço (CMB), a ocorrência da reação é em 25pacientes (69,4%) entre os eutróficos (p=0,9222). Conclusões. Conhecer o perfil nutricional de pacientes portadores de doenças infecciosas como a hanseníase pode ser importante para um melhor acompanhamento dos mesmos, bem como fornecer subsídios para uma intervenção mais eficaz visando melhoria em sua qualidade de vida. Os resultados obtidos com o estudo não mostram associação entre estado nutricional e reação hansênica. Novos estudos são necessários, com maior número de pacientes que apresentem episódios de reação hansênica, no sentido de comprovar os achados.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5437
Appears in Collections:PPGASC - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_4045_.pdf1.07 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.