Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5465
Title: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACESSO AO SISTEMA DE SAÚDE DE IDOSOS DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA: ESTUDO POPULACIONAL
metadata.dc.creator: MADUREIRA, R. M. S.
Issue Date: 6-Oct-2008
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: MADUREIRA, R. M. S., PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACESSO AO SISTEMA DE SAÚDE DE IDOSOS DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA: ESTUDO POPULACIONAL
Abstract: O processo de envelhecimento da população brasileira é atualmente um desafio para essa sociedade, e o setor saúde recebe um impacto significativo das mudanças decorrentes desse fenômeno, o que estabelece a relevância de refletir sobre os mecanismos necessários para garantir qualidade de vida aos idosos. É fundamental conhecer as características e as condições de acesso desses indivíduos aos serviços de saúde, bem como a avaliação deles em relação a esses serviços. Este estudo exibe um inquérito populacional, descritivo, de corte transversal, quantitativo, com ilustrações qualitativas e com coleta de dados primários através de questionários. Considerou uma população de 25.469 idosos cadastrados no programa Estratégia de Saúde da Família e uma proporção de 50% de acesso dos idosos aos serviços das Unidades Básicas de Saúde do município de Vitória (ES), levando em conta, na amostra, um erro de 5% e um nível de significância de 95%. Foram entrevistados 422 idosos, sendo 65,2% do sexo feminino e 34,8% do masculino, com idades que variaram de 60 a 103 anos, tendo a média de 71,9 ± 8,5 anos. Quanto às condições econômicas, 89,3% dos idosos entrevistados possuem uma fonte de renda formal. A pesquisa ponderou que há associação significativa quando relacionada a variável sexo com as variáveis estado conjugal e renda. Nas patologias auto-referidas, constatou a preponderância da hipertensão arterial (73,2%), seguido de diabetes (25,7%) e das doenças ostearticulares (22,4%). Também notou que entre as mulheres há uma maior incidência de ostearticulares e osteoporose. Já entre os homens, ocorrem mais casos de câncer e doença de Parkinson. Quanto à utilização dos serviços de saúde, a observação é que, em 12 meses, 17,8% dos idosos não foram à Unidade Básica de Saúde, e outros 15,6% freqüentaram a mesma somente uma vez no período. A consulta médica (77,4%), o serviço de vacinação (69,6%) e a assistência farmacêutica (54,6%) estão entre os serviços oferecidos nas unidades mais utilizados pelos idosos. Quanto ao acesso e uso dos serviços de saúde, não houve nenhuma associação quando comparadas as variáveis sexo e faixa etária. No que diz respeito ao atendimento prestado nas unidades, 50,2% dos entrevistados qualificam-no como bom e 34,6% consideram-no de ótima qualidade. Os dados revelam que o fator gênero comprovadamente influencia o envelhecimento, fortalecendo a heterogeneidade do mesmo, fato que precisa ser respeitado na elaboração das políticas públicas. O estudo expõe que os serviços de saúde são resolutivos para o estágio atual de saúde dos idosos, mas caso não sejam implementadas novas modalidades de atendimento, num futuro próximo, a atual rede de serviços não conseguirá atender a todas demandas desses cidadãos. Constitui um dos desafios para o sistema municipal de saúde de Vitória avançar nas práticas voltadas para prevenção e promoção de saúde no nível local. É também imprescindível o desenvolvimento de ações de suporte a idosos frágeis e seus familiares.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5465
Appears in Collections:PPGASC - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_5001_2006_RENATA MARIA SALES MADUREIRA.pdf993.52 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.