Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5753
Title: Mutações na região aminoterminal do gene col1a2 e a manifestação da osteogênese imperfeita
metadata.dc.creator: Almeida, Márcio Germello de
Keywords: c.739 G>C;colágeno tipo I;p.Gly247Arg, SSCP;c.739 G>C;p.Gly247Arg;type I collagen;SSCP
Issue Date: 29-Apr-2011
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: ALMEIDA, Márcio Germello de. Mutações na região aminoterminal do gene col1a2 e a manifestação da osteogênese imperfeita. 2011. 71 f. Dissertação (Mestrado em Biotecnologia) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2011.
Abstract: Osteogenesis Imperfecta (OI) is a genetic disease associated with alterations in the type I collagen molecule. OI is clinically characterized by skeletal fragility and deformity. The majority of OI cases are caused by dominant autosomal mutations on COL1A1 and COL1A2 genes, responsible for the synthesis of the type I collagen molecule. However, there are isolated cases and new cases of recessive autosomal forms of OI. Thus OI is a clinically and genetically heterogeneous group, and it justifies the importance of molecular studies related to this desease. The objective of this research was to characterize the mutation pattern of the beginning region of the COL1A2 gene of OI patients. We studied the exons 1 to 26 of the COL1A2 gene on 33 non-related patients of Vitoria-ES with OI diagnosed using PCR-SSCP and sequencing techniques. We detected an alteration on the exon 16 of a female OI with moderate form of the disease, identified as c.739 G>C (p.Gly247Arg). The clinical report of our patient differs from another one already described on literature. These results may contribute to the understanding of the disease, leading to the development of more efficient treatment methods to patients with OI.
A Osteogênese Imperfeita (OI) é uma doença genética associada a alterações na molécula do colágeno tipo I, sendo caracterizada clinicamente por fragilidade e deformidade ósseas. A maioria dos relatos de OI são alterações autossômicas dominantes nos genes COL1A1 e COL1A2, codificadores da molécula do colágeno tipo I. Também há relatos de casos isolados e de manifestação autossômica recessiva da OI. A diversidade clínica e genética apresentada pelos pacientes com OI evidencia a necessidade de estudos moleculares dos genes associados à OI. Essa pesquisa teve como objetivo caracterizar o padrão de mutações da região inicial do gene COL1A2 em pacientes com OI. Foram estudados os exons 1 a 26 em 33 pacientes não aparentados com OI de Vitória-ES por PCR-SSCP e sequenciamento automatizado. Uma alteração no padrão de bandas de DNA, localizada no fragmento do exon 16 do gene COL1A2, foi dectada na amostra de um paciente do sexo feminino com quadro clínico moderado de OI. O sequenciamento dessa amostra permitiu a identificação da transversão c.739 G>C (p.Gly247Arg) com descrição clínica distinta de um relato prévio na literatura portador da mesma alteração genética. Os resultados dessa pesquisa poderão contribuir com o entendimento clínico da doença, e, consequentemente, auxiliar no desenvolvimento de tratamentos mais adequados aos pacientes.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5753
Appears in Collections:PPGBIO - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Marcio Germello de Almeida.pdf1.62 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.