Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5832
Title: A ideia de descentramento em Roberto Schwarz
metadata.dc.creator: Costa, Igor Nunes
Keywords: Descentramento;Ideias;Europa;Favor;Brasil;Decentering;Ideas;Europe;Favor;Brazil
Issue Date: 10-Dec-2012
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: COSTA, Igor Nunes. A ideia de descentramento em Roberto Schwarz. 2012. 131 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012.
Abstract: This idea of decentering in Roberto Schwarz, arising from subordinated insertion of Brazil in the international parallel to accommodation ideas of modernity by European relations favor of Brazilian society. It is analyzed in the works in which he discusses the development of the country, class relations and intellectual tradition in which it operates. This decentering is emphasized during the Independence of Brazil, made conservatively, when European ideas were put into gravitation elites in Brazilian slave society and patronizing. Such ideas have become ornaments, since the participation of elites in the benefits of advanced societies only be wrought under the economic exploitation and political domination update installed in that period and with the advance of capital. Ideas, so that did not have the same effect it had on countries of origin, always being displaced by favor. Given the relative autonomy of culture facing the economy, the process of formation of Brazil, law, architecture, literature, customs were brought into the country and implemented, contributing to the mismatch between domestic and foreign culture, which is ours under these conditions maladjusted. One of these ideas, the development, founded on science and technology, advancing by leaps stimulated economic structure without due process monitoring social to tell him about it. In fact, according to the regression of this process, since the technological advancement of the core countries could not be accompanied by peripherals, as this keeps advancing, with those countries, ownership of the new product, more productive, making it impossible for the peripheral countries follow the levels of competition, productivity and effectiveness of core. Advancing therefore no related investments in social areas that sustain this progress, exclusion, social segregation, inequality and relations of favor with your choice of components, hierarchy, violence replenished constantly
Trata da ideia de descentramento em Roberto Schwarz que surge da inserção subordinada do Brasil no âmbito internacional, paralelamente à acomodação de ideias da modernidade europeia pelas relações de favor da sociedade brasileira. Essa ideia é analisada tanto nas obras em que Schwarz discute o desenvolvimento do país quanto nas relações de classe e na tradição intelectual que se insere. Esse descentramento é ressaltado no período da Independência do Brasil, feita de forma conservadora, quando as ideias europeias foram colocadas em gravitação, pelas elites, na sociedade escravista e paternalista brasileira. Tais ideias tornaram-se ornamento, dado que a participação das elites nos benefícios das sociedades avançadas só se efetuaria sob a exploração econômica e a dominação política instaladas naquele período e reatualizadas com o avanço do capital. Ideias, portanto, que não possuíam a mesma eficácia que tinham nos países de origem, sendo sempre deslocadas pelo favor. Dada à relativa autonomia da cultura em frente à economia, no processo de formação do Brasil, leis, arquitetura, literatura, costumes foram trazidos para o país e implantados, contribuindo para o desajuste entre cultura nacional e estrangeira, que é nossa também, nessas condições desajustadas. Uma dessas ideias, a de desenvolvimento, fundado na ciência e na técnica, estimulava o avanço aos saltos da estrutura econômica sem o devido acompanhamento do processo social que lhe dissesse respeito. Na verdade, isso se dá em função da regressão desse processo, porque o avanço tecnológico dos países centrais não poderia ser acompanhado pelos periféricos, uma vez que tal avanço mantém, com aqueles países, a propriedade do produto novo, mais produtivo, impossibilitando que os países periféricos acompanhem os patamares de concorrência, de produtividade e de eficácia dos países centrais. Em nível de conclusão, apontamos que o avanço sem os investimentos correlatos em áreas sociais que o sustentem repõe permanentemente a exclusão, as segregações sociais, a desigualdade e as relações de favor com seus componentes de arbítrio, hierarquia e violência
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5832
Appears in Collections:PPGCSO - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Igor Nunes Costa.pdf425.03 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.