Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5898
Title: Prevalência de DST, padrão de comportamento e aspectos relacionados a saude reprodutiva das mulheres atendidas em unidade básica de saúde em Vitória, ES
metadata.dc.creator: Barcelos, Mara Rejane Barroso
Keywords: Mulheres;DST;AIDS;comportamento de risco;saúde reprodutiva;Women;STI;AIDS;risk behaviors;reproductive health
Issue Date: 5-Dec-2005
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: BARCELOS, Mara Rejane Barroso. Prevalência de DST, padrão de comportamento e aspectos relacionados a saude reprodutiva das mulheres atendidas em unidade básica de saúde em Vitória, ES. 2005. 127 f. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Doenças Infecciosas) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2005.
Abstract: Medidas preventivas e assistenciais para mulheres são importantes para a saúde pública. Os riscos associados com a saúde das mulheres incluem gravidez e maior chance de contrair DST, incluindo AIDS. Descrever a prevalência de DST, o perfil de comportamento e os aspectos relacionados à saúde reprodutiva das mulheres residentes em uma região de saúde do Município de Vitória, Brasil. Estudo transversal realizado de julho de 2003 a març o de 2004 em umaárea assistida pelo Programa de Saúde da Família, entre m ulheres de 15 a 49 anos.Uma entrevista face a face com dados sócio demográficos, clínicos e comportamentais foi realizada. Uma amostra de sangue foi coletada para testes de HIV, HBV,HCV e Sífilis; espécimes genitais foram coletadas para Citologia, Gram e Cultura, e uma amostra de urina foi coletada para PCR- Chlamydia trachomatis. A análise estatística usou métodos descritivos e análise multivariada dos dados. Este estudo foi submetido e aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade Federal do Estado do Espírito Santo. Durante o estudo, 300 mulheres foram incluídas. A média de idade foi 30,0 (distância interquartil (IQR) 24; 38) anos; a média de idade do primeiro intercurso sexual foi de 17,3 (DP 3,6) anos e a média de idade da primeira gravidez foi 19,2 (DP 3,9) anos. Cerca de 70% delas teve até 8 anos de estudo; 5% relataram ISTs prévias; 8% abuso de drogas ilícitas e 11% estupro. Apenas 23,7%relataram uso regular de condom. Problemas clínicos relatados: úlcera genital (3,0%); disúria (7,7%); descarga vaginal (46,6%); prurido (20,0%) e dor pélvica (30,7%). Teste de HIV prévio foi relatado por 43,6% e 15,3% nunca haviam feito Citologia Oncótica. As prevalências das infecções foram: Chlamydia trachomatis 7,4%; gonorréia 2,0%; tricomoníase 2,0%; vaginose 21,3%, candidíase 9,3%; relatos citológicos sugestivos de HPV 3,3%; sífilis 3,0%; HIV 3,3%; HBV 1,0% e HCV 1,3%. As mulheres são uma população vulnerável em relação à sexualidade. Elas não percebem nelas mesmas o risco para DST e não se protegem. Esses resultados encontraram elevada freqüência de DST e mostraram a necessidade de medidas de prevenção, incluindo, entre outros, rastreamento para IST e programas de redução de risco.
Preventative measures and assistance for women are important for public health. The risks associated with women s health include pregnancy and higher rate of contracting STIs, including AIDS. To describe STI prevalence, behavior profile and reproductive health aspects of women living in a health region of Vitoria Municipality, Brazil. Cross-sectional study from July 2003 to March 2004 in an area assisted by Family Health Program. The study was performed among women, 15 to 49 years old. A face-to-face interview with sociodemographic, clinical and behavioral data was performed. A blood sample was collected for HIV, HBV, HCV and syphilis tests; genital specimens were collected for Pap smear, Gram stain and culture, and a sample of urine was collected for PCR-Chlamydia tracomatis. The statistical analysis used descriptive methods and multivariate methods. This study was submitted and approved by Ethics committee from Federal University of Espírito Santo State. During the study, 300 women were included. Median age was 30.0 (interquartile range (IQR) 24; 38) years old; mean age of the first intercourse was 17.3 (SD 3.6) years and mean age of first pregnancy was 19.2 (SD 3.9) years. About 70% of them had up to 8 years of education; 5.0% reported previous STIs; 8.0% illicit drug abuse and 11.0% rape. Only 23.7% reported consistent condom use. Clinical problems reported: genital ulcer (3.0%); dysuria (7.7%); vaginal discharge (46.6%); itching (20.0%) and pelvic pain (30.7%). Previous HIV test was reported by 46.3% and 15.3% had never done Pap smear. The prevalence of infections were: Chlamydia tracomatis was 7.4%; gonorrhea 2.0%; trichomoniasis 2.0%; vaginosis 21.3%; candidiasis 9.3%; HPV-related cytological changes 3.3%; syphilis 3.0%; HIV 0.3%; HBV 1.0% and HCV 1.3%. Women are vulnerable population related to sexuality. They do not feel themselves at risk for STI and they do not protect themselves. These resultsfound high frequency of STI and show the needs for prevention measures, including, among others, screening for STI and programs of risk reduction.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5898
Appears in Collections:PPGDI - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese Mara revisao final.pdf486.92 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.